<
>

Do Circuitão para o Free Fire: Camilota comenta 'mudança necessária' na carreira

A apresentadora Camilota. Saymon Sampaio/BBL

Free Fire não está conquistando apenas o público brasileiro, como também está montando uma grande equipe para suas transmissões. Uma das apostas da Garena por aqui foi a apresentadora Camilota, que estava no Circuito Desafiante de League of Legends há dois anos.

Em conversa com o ESPN Esports Brasil durante o evento de apresentação do DJ Alok em Free Fire, Camilota comentou a mudança em sua carreira e como está sendo a adaptação. A carioca confessa que ficou triste por sair do CD, onde tem os grandes amigos Gruntar e Colossimus, mas que fez a decisão para evoluir profissionalmente.

“Eu estava há dois anos no LoL e pensava muito em até onde eu poderia ir, até onde eu poderia chegar”, afirmou ela. “Eu via que ia chegar um momento que eu ia meio que estagnar. Algo normal, como qualquer outra profissão. Então, para evolução profissional, eu resolvi vir para o Free Fire”.

Ela continuou: “Sei que foi uma mudança muito rápida, mas [foi] necessária pra minha carreira”.

Sobre o Free Fire, Camilota diz que já conhecia o jogo “por todo o barulho” que ele estava fazendo desde sua chegada ao Brasil, mas que passou a se dedicar a ele recentemente. Além disso, explicou com um sorriso enorme que a “aceitação do público está sendo incrível”.

“Acho que vou sentir um pouco mais [o baque] quando eu estiver apresentando a Pro League, que vai ser nessa semana, e o Mundial, na próxima semana, pois será a primeira vez que vou dar a cara a tapa com um público gigante na internet. Ainda não fiz nenhum tipo de aparição assim”, comenta. “Mas eu já apareci nas redes sociais da Garena e foi super tranquilo, a galera curtiu, seguiu e comentou muito”.

De fato, o público do Free Fire é gigante. Somente na final da segunda temporada da Pro League, a competição contabilizou mais de 700 mil espectadores. Enquanto isso, o primeiro mundial do battle royale, realizado em abril deste ano, teve 1 milhão de visualizações simultâneas no YouTube, se tornando o evento mais assistido de toda a plataforma.

Mas Camilota está confiante na resposta da galera. “O público [do Free Fire] é bem diferente, é muito tranquilo, até onde eu senti. A galera é mais receptiva”, aponta. “É um mercado novo, então eles não estão nessa de não aceitar as pessoas, eles estão aceitando de braços abertos. Foi o que o próprio Alok falou: ‘quando eles não gostam, eles vão lá e falam, e quando eles gostam, eles também falam’”.

Sobre a expectativa para a final da terceira temporada da Pro League e o Mundial, Camilota confessa estar ansiosa. “Primeiro, é na minha cidade. Segundo, eu amo o público. Eu sou atriz, então toda vez que eu subo no palco é mágico demais. E estar com público enorme num lugar gigante é muito gratificante. Me dá mais energia pra continuar o meu trabalho”, comenta.

Já sobre apostas aos times brasileiros que devem avançar para o Mundial, a apresentadora preferiu não arriscar. “Eu não gosto de apostar em times, porque final presencial é pressão psicológica, é o momento, é a energia da torcida, então tudo muda. A final é sempre diferente, e isso é em qualquer jogo”, crava. “No palco, é você com você mesmo”.


A final da terceira temporada da Pro League de Free Fire acontece neste sábado, 9 de novembro, na Arena Carioca 1. O campeão e vice-campeão garantem vaga no Mundial, que será realizado no próximo sábado, 15 de outubro, no mesmo local. Os ingressos para ambos os eventos já estão à venda.