<
>

'O Auto Chess nasceu para os esports', garante publicadora do jogo

Reprodução

Assim como o ano de 2017 foi marcado pelo surgimento e dominância de jogos do gênero battle-royale, 2019 está sendo conquistado por títulos de “auto-battler”. O pioneiro na categoria foi o Auto Chess, mod de Dota 2 criado pelo estúdio chinês Drodo e que transforma o MOBA em um tabuleiro de xadrez.

O mod fez tanto sucesso que em janeiro, mês de seu lançamento, já alcançava mais de 100 mil jogadores simultâneos — e claro que outras empresas não poderiam perder essa oportunidade. Enquanto a Valve entrava em contato com a Drodo para tentar o lançamento de um jogo em conjunto, a Riot Games criou o Teamfight Tactics para League of Legends e, mais recentemente, a Tencent lançou seu próprio auto-battler, Chess Rush.

Por sua vez, a Dragonest Network adquiriu os direitos de Auto Chess e lançou a versão mobile do jogo após a negociação com a Valve não ter ido pra frente. A chegada do jogo para aparelhos móveis veio sem ligação alguma com Dota 2, deixando nomes de heróis de lado, por exemplo, mas fez tanto sucesso quanto.

Em entrevista para o ESPN Esports Brasil, a equipe operacional da Dragonest Network que é responsável pelo Auto Chess comentou sobre o sucesso do modo e planos para o futuro — incluindo uma competição que ocorre já nesta semana.

Os representantes da Dragonest explicam que a empresa tem como foco “jogos inovadores” e dedicação ao “desenvolvimento, agenciamento e publicação de jogos de alta qualidade”. Logo, quando Auto Chess explodiu, a companhia se adiantou para fechar negócio e ajudar o jogo a alçar novos voos em campos móveis.

Segundo a Dragonest, já são mais de 5 milhões de downloads desde meados de maio deste ano, quando Auto Chess começou a ser lançado para o mercado mobile. Mas não são apenas os números que deixam a empresa otimista. Para os representantes, “os dados do mercado e o feedback dos jogadores provaram nosso pensamento de que Auto Chess é um ótimo produto criativo”.

“O Auto Chess ainda está em um estágio de crescimento. Atualmente, nas principais regiões do mercado de jogos do mundo, incluindo Estados Unidos, Japão, Coreia do Sul, Europa etc, já vemos um ‘boom’ chamado ‘Auto Chess’ com milhares de jogadores e inúmeras empresas se unindo a essa tendência. O surto em grande escala do Auto Chess transformou o auto battler em um novo foco em todo o mundo, tornando-se inevitável considerá-lo o novo battle royale”, afirmaram.

Quando perguntamos sobre a negociação com a Valve, que acabou sendo deixada de lado por ambas as partes, a Dragonest explicou que o motivo teve relação com modelos de negócios diferentes.

“A Valve esperava que o Auto Chess pudesse se conectar diretamente ao Dota 2, mas nossa implantação estratégica é para um desenvolvimento rápido para o Auto Ches. Por isso, acreditamos que seria melhor ser independente, o que também se ajusta às expectativas e interesses de nossos jogadores”, informaram.

Sobre os jogos que surgiram após Auto Chess, como Dota Underlords, TFT e Chess Rush, a Dragonest acredita que são apenas uma prova do sucesso do gênero. “Esses produtos da Valve ou da Tencent provaram que o Auto Chess foi reconhecido por toda a indústria e que todos estão trabalhando com o mesmo objetivo: tornar o Auto Chess acessível e amável por mais e mais pessoas”, disseram.

“Também estamos tentando descobrir o que ainda está oculto neste mundo do Auto Chess, procurando novos modos de jogo e fornecendo novos heróis com habilidades inesperadas. Se olharmos para a história, todos os modos de jogo clássicos passaram pelo mesmo processo e, agora, a Dragonest Network está trabalhando muito para melhorar o Auto Chess para que mais e mais pessoas gostem do jogo”, complementaram.

Para finalizar a entrevista, perguntamos sobre o Invitational — torneio que reunirá os melhores jogadores do mundo (incluindo o brasileiro Daniel “ZoinhU” Almeida) a partir do dia 25 de outubro em Xangai, China, e distribuirá US$ 1 milhão em premiação. De acordo com a Dragonest, “o Auto Chess nasceu para os esports”.

“No jogo, as peças aparecem aleatoriamente e nunca há um início fixo. Ninguém pode prever o resultado antes da partida. Por outro lado, para vencer, o jogador depende fortemente de suas habilidades de estratégia, nível tático e capacidade de análise”, apontaram os representantes. “Diferentes compilações e sinergias afetarão a situação do jogo a qualquer momento. Poderíamos dizer que o auto battler é, atualmente, uma jogabilidade competitiva única no mundo”.

“O Auto Chess agora possui uma base de jogadores muito sólida, e o Invitational é um evento exclusivo para eles. Quanto a possíveis mudanças durante o torneio, gostaríamos de manter tudo em segredo. Vamos esperar e ver”, terminaram com mistério.