<
>

Portuguesa lidera comissão de clubes e quer 8 times subindo para o Paulistão de 2021

O presidente da Portuguesa, Antonio Carlos Castanheira, lidera uma comissão de clubes que deseja o fim imediato do Campeonato Paulista da Série A2, equivalente à segunda divisão do Estado, e a promoção de oito equipes.

A reportagem apurou que a motivação vai além do temor pela pandemia do novo coronavírus, que paralisou todas as competições no país desde 17 de março, sem data estipulada para retornar.

A Portuguesa, assim como a maioria dos times que disputam a Série A2, tem mais da metade do elenco com contrato até o final de abril deste ano. Por não ter um calendário nacional, a equipe não tem recursos para renovar com os jogadores.

A situação é similar a de São Bernardo, Taubaté, Portuguesa Santista e Monte Azul, todos com mais de 50% do elenco com contratos para encerrar daqui a 36 dias. Coincidentemente eles ocupam as quatro primeiras posições da A2.

A Portuguesa é a oitava colocada, portanto, a última equipe na zona de classificação para o mata-mata final.

XV de Piracicaba, São Caetano e Juventus, que também estão no G8, teriam um impacto menor. Mas ainda assim sairiam prejudicados. O índice de jogadores com contrato que vão encerrar no final de abril é de 33,3%, 5,4% e 31,3%, pela ordem.

As duas equipes na zona de rebaixamento para a Série A3 também vivem esse drama. Mais de 60% do elenco da Penapolense terminará em 30 de abril. O Votuporanguense, que é o lanterna do torneio, tem 46,7% do elenco comprometido.

A motivação para pedir o encerramento da A2 antes do previsto em calendário tem motivações financeiras. Vale lembrar que a disputa foi paralisada faltando três rodadas para a conclusão da fase classificatória.

A proposta que os clubes vão apresentar para a Federação Paulista é encerrar o torneio com a classificação da forma como está, promover os oito primeiros colocados para a primeira divisão e não rebaixar nenhum clube para a A3.

O plano é bastante ousado porque deixaria a A1 em 2021 "inchada", com 24 participantes - considerando que pode não haver descenso na primeira divisão. Mas a comissão liderada pela Portuguesa também tem uma proposta para minimizar o efeito.

A ideia é realizar uma seletiva antes da competição, sem a presença dos grandes, para definir oito rebaixados. Depois, ao final do torneio, ainda seriam rebaixados os dois piores clubes para o Paulistão voltar a ter 16 times em 2022.

Outra proposta estudada é sugerir a criação de dois grupos com 12 participantes cada um, sendo assim 11 datas (uma menos que a primeira fase atual) e rebaixando quatro equipes de cada chave.

A Federação inicia a partir desta quinta-feira um período parcial de férias, que valerá até 24 de abril, mas a entidade nega que esteja parada. Manteve um número mínimo de colaboradores em todas as áreas para não parar.