<
>

X Games: Vinicios Sardi organiza 'vaquinha' para ir a Minneapolis e competir no skate adaptado

Os X Games Minneapolis serão realizados entre os dias 1º e 4 de agosto. Este ano, a competição terá uma novidade em relação às edições anteriores: uma nova categoria foi incluída no torneio, o skate adaptado.

A modalidade é especial para atletas com alguma deficiência física e terá seu primeiro torneio em nível internacional - é a primeira vez que os X Games terão uma prova de paraskate. E o Brasil vai em busca de um bom resultado na categoria, visto que terá um representante no torneio.

Paulistano, 23 anos e atual campeão brasileiro de skate adaptado, Vinicios Sardi nasceu sem as duas pernas. Desde criança, utiliza próteses, mas acostumou a andar “de joelho”.

Sempre se interessou por esportes, mas queria um que pudesse praticar sem precisar utilizar as próteses. Quando tinha 16 anos, viu os amigos andando se skate e resolveu comprar um.

No começo, tentava andar com as próteses, mas acabou quebrando-as, afinal não eram próprias para esportes de impacto.

As coisas começaram a mudar quando Vinicios viu Ítalo Romano na televisão - o paraskatista brasileiro, que hoje é profissional, estava descendo a MegaRampa do Bob Burnquist.

“Nesse dia vi pela primeira vez alguém igual a mim, só que andando de skate. Isso me incentivou a tirar as próteses e praticar sem elas. Desde então, nunca mais parei”, contou Vinicios, ao ESPN.com.br.

O skate foi fundamental para o desenvolvimento social do paratleta. Segundo ele, era muito acanhado e tinha medo de se expor, pois não sabia o que pensariam de sua deficiência. Hoje em dia, o brasileiro sente que não tem mais as barreiras psicológicas que tinha antes.

Até o ano passado, Vinicios participava do circuito paulista e brasileiro de Bowl Banks. Apesar da questão física, competia na categoria amador, junto com os skatistas que não possuíam deficiência alguma. No paraskate, ganhou 4 campeonatos brasileiros.

Convidado para participar do X Games Minneapolis, o paraskatista disputará uma competição internacional pela primeira vez.

“É um sonho que está se realizando. Quando comecei a andar de skate, uma vez vi um vídeo do X Games e falei: 'Um dia quero estar lá representando o Brasil'. Não imaginava que esse sonho estaria se concretizando”, revelou.

O problema é que Vinicios terá de bancar sozinho a viagem para Minneapolis: o brasileiro tem o apoio de algumas marcas, mas não é suficiente para bancar uma viagem para o exterior. Sem condições financeiras de arcar com os custos, ele organizou uma "vaquinha" virtual para arrecadar fundos para passagem, hospedagem e alimentação.

“A 'vaquinha' é para as pessoas que acreditam no meu trabalho e que querem me ajudar financeiramente a realizar esse sonho”, disse.

A iniciativa já arrecadou mais de R$ 3 mil, mas a meta é conseguir R$ 10 mil. A vaquinha virtual será encerrada no próximo domingo (16/06).

Para doar um valor e ajudar o paratleta brasileiro, basta acessar o link clicando aqui.

Além de representar o Brasil e buscar um bom resultado, Vinicios tem o objetivo de impulsionar a modalidade, a fim de conseguir um espaço para o esporte na Paralimpíada de 2024, em Paris.

Ele acredita que o torneio será determinante para o futuro da modalidade. “Os X Games podem ser o espelho para a Paralimpíada. No Brasil já estamos incluindo o paraskate em diversos campeonatos. Se continuar com esse trabalho legal, tem grandes chances de o skate estar na Paralimpíada de 2024”, falou.