<
>

UFC 270: Ngannou revela lesão diz que foi aconselhado por médico a não lutar por 'risco de danos irreversíveis no joelho'

play
UFC 270: Ngannou vence Gane na luta agarrada, mantém cinturão e segue à espera de Jon Jones (0:43)

O camaronês segue como campeão da categoria e dá ao rival francês a sua primeira derrota em 11 combates no MMA profissional. (0:43)

Campeão dos pesos-pesados do UFC não quis desistir da luta


Francis Ngannou viveu um momento dramático antes de sua participação no UFC 270 e isso não teve nada a ver com o relacionamento conturbado com Dana White e Fernand Lopez, seu ex-treinador. No evento realizado no último sábado (22), na Califórnia (EUA), o campeão do peso-pesado enfrentou Ciryl Gane, defendeu o título da categoria ao vencer o combate por decisão unânime, mas revelou que o tão aguardado encontro ficou próximo de ser cancelado. Tanto que ‘The Predator’ saiu castigado do octógono.

Na coletiva de imprensa pós-UFC 270, Ngannou afirmou que sofreu lesões no ligamento colateral medial e no ligamento cruzado anterior do joelho na preparação para enfrentar Gane e explicou que tal problema o impediu de atuar em plena condição física e de maneira agressiva no octógono. O drama do campeão do peso-pesado da companhia ficou ainda pior, quando ouviu do médico que o certo a ser fazer seria sair do duelo. Contudo, o camaronês, em um ato de coragem, não seguiu o conselho do profissional, permaneceu no evento e colheu os frutos de sua ousadia. Vale lembrar que ‘The Predator’, de fato, lutou com uma espécie de proteção na área.

Após o importante triunfo sobre Gane, Ngannou comemorou o feito de vencer o rival mesmo lesionado, mas informou que, com a última luta em seu contrato com o UFC realizada, deve passar por uma cirurgia para corrigir o problema que quase colocou sua participação no show em risco. Inclusive, o campeão do peso-pesado agradeceu sua equipe e fãs por lhe apoiarem em um momento tão delicado. É bem verdade que o camaronês temeu agravar a lesão no joelho, mas apostou no wrestling, ignorou a dor, virou o duelo, defendeu o título da categoria pela primeira vez e tirou a invencibilidade do francês. Agora, a tendência é que’The Predator’ fique um longo tempo afastado por conta da recuperação que tal operação exige, mas ressalta que não se arrepende da decisão tomada.

“Foi muito ruim. Eu tive um MCL de grau três e tenho um LCA danificado. Isso aconteceu há 25 dias. Acho que sim, vou precisar de cirurgia. Meu time estava ao meu lado independente do que eu decidisse fazer, foi o que eles disseram. O médico disse que não me recomendaria lutar, porque eu poderia ter danos irreversíveis se levasse um chute naquele joelho. É por isso que eu não pude mudar minha postura. Eu poderia ter desistido dessa luta, mas depois entrar em outra luta e me lesionar ainda mais. Estamos fazendo esse esporte que é muito perigoso e você pode se machucar o tempo todo. Se você sente que há uma chance de fazer isso, você tem que fazer. Acredito em mim. Já passei por muitas coisas na minha vida. Essa foi uma decisão idiota, mas não queria desistir dessa luta”, declarou o campeão do UFC, antes de completar.

“Estava muito confiante sobre minhas habilidades para vencer essa luta. Algo veio à minha mente. Me lembrei de todo o apoio que recebi do meu país e não iria decepcionar. Meus treinadores estavam me motivando, fomos para o terceiro round, consegui a queda no final e meio que o vi desesperado. Naquele momento, sabia que ele ia perder. Ele estava perdendo a luta. Poderia dizer que Gane não era mais ele mesmo. Eu estava muito instável, tentando manter a posição, não conseguia me mover muito. Não queria escorregar ou algo assim. Só a ideia de escorregar ou levar um chute naquele joelho era tão assustadora. Basicamente, vi o médico na terça-feira para me liberar e ele não estava muito otimista, mas mesmo assim decidi seguir em frente. Não me importei com o joelho. Sabia no que estava me metendo e se precisasse deixar aquela perna no octógono para conseguir a vitória, teria feito isso”, concluiu.

Francis Ngannou, de 35 anos, estreou pelo UFC em 2015, venceu grandes nomes do MMA e se tornou um dos lutadores mais assustadores do esporte. Pela organização, o campeão do peso-pesado nocauteou Alistair Overeem, Andrei Arlovski, Cain Velasquez, Curtis Blaydes (duas vezes), Jairzinho Rozenstruik, Júnior ‘Cigano’ e Stipe Miocic e superou Ciryl Gane em sua primeira defesa de título. O sucesso de ‘The Predator’ é tanto, que o mesmo já é apontado por parte dos fãs e da imprensa especializada como um dos principais atletas da história da categoria por conta de seu porte físico e poder.