<
>

UFC: Raulian Paiva promete vencer Zhumagulov no ponto forte do rival: 'Quero nocautear'

play
Na semana do UFC 251, Usman e Masvidal quase se encontram em hotel; veja o momento (0:10)

Rivais dentro e fora do octógono se enfrentarão na Ilha da Luta do UFC (0:10)

Após conseguir sua primeira vitória no Ultimate em fevereiro deste ano, Raulian Paiva está com a confiança em alta para manter seu bom momento na franquia e engatar uma sequência de triunfos. Neste sábado (11), o brasileiro vai encarar Zhalgas Zhumagulov no UFC 251, evento que será realizado na ‘Ilha da Luta’, em Abu Dhabi (EAU). Ciente do desafio que tem pela frente, o brasileiro mostrou que fez o dever de casa e analisou o cazaque. Mas engana-se quem pensa que ele pretende de explorar os pontos fracos do adversário.

Em entrevista exclusiva à reportagem da Ag.Fight, o peso-mosca (57 kg), que em sua última apresentação conseguiu um nocaute sobre Mark De La Rosa, afirmou que planeja mostrar que o triunfo não foi obra do acaso. E apesar de ter consciência que seu rival tem como carro-chefe a trocação, com seis vitórias por nocaute na carreira, o brasileiro não parece disposto a evitar o jogo em pé. De acordo com Raulian, sua ideia é mostrar que é superior em todas as áreas do combate.

“É uma luta boa, ele é um estreante no UFC e sei que deve vir com tudo para mostrar o seu trabalho. Já lutei com caras mais duros e experientes. Então só vai ser vitória. Ele gosta da parte em pé, tem a maioria das vitórias por nocaute, mas tenho o jiu-jitsu e o wrestling bem superior. Mas estou indo para a trocação mesmo, em busca do nocaute. Caso eu veja que estou em desvantagem, vou para o plano B, mas quero ganhar no melhor dele. Tenho uma envergadura maior, mão mais pesada e quando ele começar a sentir as patadas, pode querer derrubar e vai ser aí que posso matar a luta também. Mas quero nocautear”, afirmou.

Outro fator que Raulian Paiva pode explorar nessa disputa é o fato de Zhumagulov fazer sua estreia na maior liga de MMA do mundo. Dessa maneira, o brasileiro adiantou que o ‘fator pressão’ pode ser um ponto a seu favor, por já ter vivenciado essa situação. além de imaginar que o atleta do Cazaquistão vai querer mostrar serviço a mais em sua primeira aparição no octógono.

“Ele pode vir com essa pressão a mais na cabeça, uma questão psicológica ou vir com tudo para os fãs verem. Estou preparado para o que der e vier. Sei que ele lutou com uns caras que estão no UFC, mas eu enfrentei o (Rogério) Bontorin e o Kai-Kara (France) e eles são bem mais fortes do que ele. Ele vai querer estrear bonito, mas estou preparado para dar o cartão de boas-vindas para ele”, adiantou o brasileiro.

Raulian Paiva chamou a atenção do UFC após fazer parte do Contender Series, programa que angaria novos membros para a organização, em 2018. Mas agora o peso-mosca tem a chance de mostrar todo seu talento para a liga em um evento galático, que vai contar com três disputas de cinturão. Atento a importância que essa edição pode ter para a sua carreira, o lutador afirmou que não quer desperdiçar essa oportunidade.

“Quando recebi o contrato e depois fui ver o card, vi que ia ser o melhor evento do ano até aqui. Fiquei honrado e orgulhoso demais de fazer parte disso. Estou muito mais motivado para conseguir essa vitória, com mais gente olhando e podendo mostrar todo o meu valor”, concluiu o número 14 do ranking da divisão.