<
>

Ex-campeão do UFC, Cain Velasquez tem fiança negada em caso de tentativa de homicídio

play
UFC: Blachowicz 'destrói' joelho de Rakic, vence por nocaute técnico e deve disputar cinturão novamente; VEJA (1:28)

Austríaco era superior na luta, mas lesão impediu de continuar com a disputa (1:28)

O ex-campeão do UFC vive uma situação complicada com a Justiça


Preso, Cain Velasquez vê sua situação com a Justiça ficar cada vez mais complicada. Nesta segunda-feira (16), na Califórnia (EUA), o ex-campeão do peso pesado do UFC teve sua fiança negada novamente pelo tribunal em seu caso de tentativa de homicídio em uma audiência realizada no condado de Santa Clara.

De acordo com o promotoria distrital do condado de Santa Clara, Velasquez, supostamente, perseguiu em alta velocidade o veículo de Harry Eugene Goularte, acusado de molestar um menor de 14 anos parente do ex-campeão do UFC, bateu no caminhão e disparou várias vezes com uma pistola calibre 40 contra o veículo do mesmo. No entanto, Paulo Bender, padrasto de Goularte e que também estava no caminhão, foi atingido por uma das balas. Inclusive, o indivíduo contou que sofreu uma lesão em um nervo do ombro e ficou impossibilitado de trabalhar desde o tiroteio.

Nesta segunda-feira, a juíza Shelyna Brown não cedeu aos apelos feitos pela enorme base de fãs de Velasquez e negou a fiança ao ex-lutador pela segunda vez. De acordo com a profissional, o motivo para sua decisão foi a conduta do antigo campeão do UFC, que classificou como um ‘desrespeito imprudente pela vida humana’. A primeira vez que Brown negou a fiança para Velasquez ocorreu no dia 7 de março. Na ocasião, a juíza considerou a ação de Cain como um ato de ‘extrema imprudência’.

Velasquez está sendo acusado de tentativa de homicídio e responde a dez outras acusações relacionadas a utilização de armas. Se condenado, o ex-campeão do UFC pode ficar 20 ou mais anos preso. O ex-lutador está sob custódia desde 28 de fevereiro e tem uma nova audiência marcada para o dia 10 de junho.