<
>

UFC: brasileiro vibra com primeira vitória e diz que sonha em lutar em card com Charles do Bronx: 'Subir degrau por degrau'

play
UFC: Blachowicz 'destrói' joelho de Rakic, vence por nocaute técnico e deve disputar cinturão novamente; VEJA (1:28)

Austríaco era superior na luta, mas lesão impediu de continuar com a disputa (1:28)

Allan Puro Osso derrotou Jake Hadley no UFC Vegas 54, no último sábado (14), e venceu a primeira no Ultimate


Após anos de batalha em busca deste momento, Allan Puro Osso, enfim, sentiu o sabor da vitória no Ultimate. O brasileiro, que sempre bateu na trave para entrar na organização, chegou nela em 2021, mas foi derrotado em sua estreia. No entanto, dessa vez, o competidor não deixou passar a nova chance e derrotou Jake Hadley, no último sábado (14), por decisão unânime dos jurados, no UFC Vegas 54.

Portanto, em entrevista exclusiva à reportagem da Ag. Fight, o paulista comemorou o primeiro triunfo na maior franquia de MMA do mundo. Embora tenha destacado o sentimento positivo de vencer no UFC, Puro Osso manteve os pés no chão e pregou cautela sobre seu futuro no peso-mosca (57 kg).

“Não carrego um fardo, mas dá uma felicidade. Mostra que estamos no caminho e fazemos por merecer. Sei que eu posso ainda mais contra um cara que estava invicto, no ‘hype’ e eu vencer me dá credibilidade e mais vontade de seguir meu caminho. Quero chegar devagar, não quero ficar dando recado para todo mundo, querendo meter a marra. Quero ainda lutar nesse segundo semestre. Quero lutar em um card com o Charles (do Bronx), com o (Daniel) Willycat, treinamos juntos. Quero subir degrau pro degrau”, disse.

Após vencer, Puro Osso protagonizou um momento de muita emoção ainda no octógono. O lutador mostrou a foto do seu pai, falecido em outubro de 2021. Questionado sobre essa atitude, o brasileiro relembrou a fatalidade que o abalou no ano passado e reforçou a homenagem.

“Meu pai faleceu 15 dias antes da gente viajar para Abu Dhabi, então foi tudo muito rápido e não consegui assimilar. Fui no automático na minha luta. Mas hoje eu trouxe ele comigo e tive momentos emocionantes. Antes de vir para a arena peguei uma foto dele, ouvimos um louvor e chorei demais. Foi um momento especial e aí sabíamos que estávamos blindados e a vitória viria”, completou o atleta da Chute Boxe/Diego Lima.