<
>

Conheça o 1º brasileiro do Chelsea, que parou Barcelona de Rivaldo na Champions e encantou José Mourinho

play
Chute extraordinário de Frank Lampard deixou goleiro do Fulham imóvel e perplexo há 16 anos; reveja (0:13)

Na goleada por 4 a 1 do Chelsea, em 2004, o astro inglês anotou essa pintura em cima de Mark Crossley | via YouTube: Chelsea Football Club (0:13)

Reportagem originalmente publicada dia 20/02/2018


Há 20 anos era muito comum que o protagonismo nos jogos do Barcelona fosse disputado por Rivaldo, Kluivert e Figo, mas isso não ocorreu em um confronto contra o Chelsea. Coube ao zagueiro Emerson Thomé, pouco conhecido no Brasil, deixar o Stamford Brigde com as glórias e até encantar o jovem José Mourinho.

O duelo em questão foi válido pelas quartas de final da Champions League 1999/00, e correspondeu ao primeiro duelo entre Barcelona e Chelsea na história do torneio.

Primeiro brasileiro a jogar pelo Chelsea, Emerson Thomé estava com 28 anos, tinha feito 15 jogos com a camisa dos Blues e estava invicto. Com a ausência do titular Frank Leboeuf (campeão da Copa de 98 pela França), o defensor foi escolhido para começar o duelo ao lado de Marcel Desailly e teve atuação destacada na vitória inglesa por 3 a 1.

"Eles tinham uma linha de ataque temerária, de excelência. Foi uma experiência única e um marco da minha carreira. Troquei camisa no fim da partida com o Rivaldo, que tinha sido o melhor jogador do mundo no ano anterior", lembrou Emerson Thomé, ao ESPN.com.br.

O norueguês Tore André Flo (duas vezes) e o italiano Gianfranco Zola marcaram para o Chelsea, enquanto Luis Figo descontou para o Barcelona. Após esta partida, o brasileiro conversou rapidamente com José Mourinho, que era auxiliar do treinador holandês Louis van Gaal.

"No jogo de volta, o Mourinho me abordou logo que cheguei ao Camp Nou para saber se eu jogaria ou não. Eu comecei a rir e perguntei: 'Mas qual a diferença se eu jogar ou não?' Ele respondeu: 'Temos dois sistemas: um com você dentro e outro fora'. Achei muito engraçado aquilo", contou.

No jogo de volta da Champions League, Frank Leboeuf retomou o posto de titular de Emerson Thomé.

"O professor escolheu, com todo mérito, a volta dele quer tinha feito toda fase de grupos. Era um companheiro fantástico. Eu falei para ele que como líder tinha que tomar essa decisão e estava muito grato por ter jogado na ida", disse.

O Barcelona eliminou o Chelsea após vencer na prorrogação por 5 a 1. Os gols do Barça foram marcados por Rivaldo (duas vezes), Figo e Kluivert. Tore André Flo descontou para os ingleses.

play
0:17

4 entortadas em 7 segundos: o dia que Gianfranco Zola 'destruiu' a coluna de Carragher

Em um Liverpool x Chelsea de muitos anos atrás, o italiano simplesmente humihou o zagueiro inglês

Após o final da partida, o brasileiro reencontrou José Mourinho e foi surpreendido.

"No final da partida eu queria saber a razão dele ter dois sistemas. Ele respondeu: 'Acharíamos muito mais difícil jogar contra um central mais duro e forte na marcação como você do que um zagueiro mais técnico'. Ele acreditou que seria mais difícil quebrar a retaguarda do Chelsea. O Leboeuf era mais técnico e de saída de bola", contou.

"Ele estava preocupado com a parte técnica e tática. Ele ele era o braço direito para o Van Gaal, tanto é que virou o treinador que é hoje. Deve ser um dos treinadores mais esclarecidos que já vi", elogiou.

O Barcelona acabou eliminado depois pelo Valencia nas semifinais da competição e o Real Madrid sagrou-se o campeão.

"O PAREDÃO"

Emerson Thomé começou no futebol no São José-RS e foi aos 12 anos para o Internacional, onde ganhou o apelido de "Paredão".

"Um garoto muito rápido foi tentar passar por mim e dei uma trombada. Ele caiu no chão. Aí, a gurizada falava assim: 'Ele parece que bateu numa parede (risos). Daí ficou Parede e depois virou Paredão", afirmou.

Em 1992, o zagueiro subiu aos profissionais do time colorado, mas após sofrer uma lesão no joelho e ficar quatro meses parado, perdeu espaço e transferiu-se para a Acadêmica de Coimbra, de Portugal.

O brasileiro depois passou por Tirsense, Benfica e Alverca antes de chegar ao Sheffield Wednesday-ING. Ao chegar à "Terra da Rainha", ele abandonou a alcunha de Paredão.

“Eu não tinha grande paixão por esse apelido, mas o empresário que me trouxe para Portugal achou que o nome era forte pegou. Na Inglaterra quiseram colocar meu nome na camisa como ‘The Wall’ [A Parede], mas eu não aceitei. Disse que tinham muitas paredes e que acabaria virando motivo de piada. Por isso, virei Emerson Thomé”, recordou.

Após duas boas temporadas no Sheffield, Emerson foi contratado pelo Chelsea, em 1999, e permaneceu um ano.

Depois, ainda rodou por times da Inglaterra como Sunderland, Bolton, Wigan e Derby County até encerrar a carreira no Vissel Kobe, do Japão, em 2007.

Depois de pendurar as chuteiras, o brasileiro foi scout do Everton e atualmente trabalha no West Ham.