<
>

Santos: Rwan, sensação do time sub-20, quase largou o futebol e fez bico como ajudante de pedreiro

O atacante Rwan é uma das maiores promessas do Santos


A vida do atacante Rwan, grande sensação do Santos no Campeonato Paulista sub-20, mudou de forma radical. Até pouco tempo atrás, o garoto, de 20 anos, ajudava o pai na construção e estava quase largando o futebol.

Hoje, ele é o artilheiro dos juniores e da equipe sub-23, e pode ter em breve seu contrato renovado para lutar por uma chance no elenco principal.

"O Santos surgiu no momento mais difícil da minha vida e serei eternamente grato. Eu estava sem clube e não sabia o que fazer. Na época eu estava um pouco desmotivado. Pensava em desistir. Muita gente falava que estava ficando tarde e que tinha que começar a trabalhar, que era só um sonho. Estava pensando em parar com o futebol", disse ao ESPN.com.br.

Criado no Cajueiro Seco, um pequeno bairro na zona sul de Recife, Rwan começou em uma escolinha de futebol aos sete anos. Depois, passou pela base do Náutico, mas enfrentou muitas dificuldades para ir os treinos.

"Eu tinha que atravessar a cidade e também não tinha dinheiro para a condução. Às vezes pedia para o motorista para deixar eu entrar por trás no ônibus, para conseguir chegar ao CT. Em seguida fui para o Sport, pois era mais perto de casa e eles me davam um auxílio para condução", afirmou.

Após três anos no "Leão da Ilha", quando conquistou o Pernambucano Sub-15 e Sub-17, além da Copa Carpina, o atacante foi para o Figueirense, mas precisou ficar nove meses morando debaixo das arquibancadas sem poder jogar por causa de um problema de inscrição.

Depois, Rwan foi para o Flamengo de Guarulhos, mas durante a pandemia, que começou em março do ano passado, o futebol parou. Com isso, ele voltou para Recife e passou a trabalhar com o pai em algumas obras.

"Para ele não ter que ficar pagando ajudante, eu ia para a obra com ele. Era uma grana para mim que ajudava porque estava parado, né? Então, eu ia ajudar meu pai e trabalhava com alegria, sem nenhum problema. Depois ainda arrumava tempo para fazer o meu treino na praia", recordou.

Neste ano, ele recebeu um convite para fazer uma avaliação no Santos e aceitou sem pensar duas vezes.

"Cheguei na Vila para fazer teste no sub-20 e fui aprovado na segunda semana. Depois, falaram que eu tinha que ser aprovado pela comissão do sub-23 também. Por um instante, achei que não ia conseguir, mas continuei focado e graças a Deus deu tudo certo", afirmou.

Rwan precisou esperar o Santos, que não poderia inscrever jogadores por causa de um transferban da Fifa, regularizar a situação até ser contratado.

Desde então, o atacante marcou 13 gols e deu três assistências pelo time sub-20, além de outros três gols pela equipe sub-23.

"Jogar aqui vem sendo a realização de um sonho. Nunca imaginei que um dia vestiria essa camisa, um dos maiores clubes do mundo. Representar o Santos dentro de campo é um orgulho pra mim".

Rwan, que namora a zagueira Thaís Regina, do time profissional do São Paulo, tem contrato até o fim do ano com o Santos. O presidente Andrés Rueda disse ao site "Diário do Peixe" que irá exercer a opção do compra do jogador no final do vínculo no valor de R$ 700 mil ao Flamengo de Guarulhos.

Com isso, ele deverá jogar a Copa São Paulo de futebol júnior de 2022.