<
>

Dos números impressionantes à postura: Suárez chega como grande astro estrangeiro da história do Brasileirão e sai ainda maior

Estrangeiros já consagrados desembarcando no futebol brasileiro é algo ainda bem raro de acontecer, e 2023 vai ficar marcado pelo ano em que um dos maiores do século 21 veio, brilhou e criou raízes por aqui, deixando coisas além de títulos e gols. Luis Suárez vai embora após 12 meses como ídolo do Grêmio e um capítulo marcante na história do nosso campeonato.

Futebolisticamente, sua passagem foi um sucesso. Foram 29 gols marcados, sendo 17 deles pela Série A, terminando como vice-artilheiro da competição ao lado de Tiquinho Soares e atrás só dos 20 gols de Paulinho. Além disso, foi o garçom da competição ao lado de Hulk, com 11 assistências.

De 2013 para cá, as 28 participações de gol do uruguaio em 2023 representam o melhor desempenho nesta estatística em uma única edição. O recorde pertence a Gabigol, com 25 gols e 8 assistências, em 2019.

O excelente ano de Suárez fez o Grêmio alcançar o vice-campeonato, o melhor desempenho na história de um time recém-promovido à elite na era dos pontos corridos do Campeonato Brasileiro. Até então, a 3ª colocação era o recorde, alcançado pelo próprio Grêmio em 2006, pelo Athletico-PR em 2013 e pelo Internacional em 2018.

Além disso, o camisa 9 fecha 2023 com os títulos da Recopa Gaúcha e do Campeonato Gaúcho e com saldo positivo no clássico Gre-Nal, com duas vitórias e uma derrota em três jogos, além de dois gols marcados.

O sucesso esportivo individual era previsível, o coletivo era algo possível, mas não algo certo, ainda mais para uma equipe que vinha da Série B. Porém, o sucesso da passagem do uruguaio vai bem além disso.

Aos 36 anos, com título de Uefa Champions League, de Copa América e cinco de LALIGA no currículo, Suárez pousou em Porto Alegre para viver em um país novo e de dimensões continentais, sem mais nada a provar e com uma carreira já estabelecida no status de lenda do futebol.

A combinação dos fatores poderia sugerir uma postura mais cômoda do uruguaio, ainda mais para um atacante que, fazendo gols, tende a ser muito menos questionado. Essa, porém, passou longe de ser a tônica.

Suárez encerra o Brasileirão como o 16º com mais chances criadas, com 52, ficando atrás apenas de Hulk (60) entre os centroavantes. No elenco gremista, só Reinaldo (56) ficou à frente.

Ou seja, El Pistolero fez muitos gols e também gerou muito jogo para seu time, o que diz muito sobre a sua entrega muito além da definição das jogadas com o seu refino técnico e capacidade goleadora.

Ele provou e comprovou que não veio a passeio, tanto que termina a Série A com 2.890 minutos em campo, 100 a mais do que qualquer outro do elenco. Entre os atletas acima dos 35 anos, apenas Victor Cuesta, Hulk e Juninho, do América-MG, somaram mais minutos na competição.

O desempenho em alto nível e a entrega de quem não "sentou" em seu currículo em 2023 fez o uruguaio conquistar não apenas os gremistas, mas também torcedores de outros clubes do país.

De qualquer forma, sua identificação obviamente foi muito maior com a torcida tricolor e com o Rio Grande do Sul. Não à toa, recebeu a Medalha do Mérito Farroupilha, a maior honra concedida pela Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, além do título de cidadão de Porto Alegre.

"Tento ser um ser humano como qualquer outro. Preciso ser pai, ser marido, ser amigo. Tento ser assim. Por isso, tentei que as pessoas do Rio Grande do Sul me vissem dessa forma, indo ao supermercado, buscando meus filhos no colégio, indo tomar um sorvete, levando minha filha na Hípica...", disse em meio à homenagem realizada em 28 de novembro.

"Aproveitamos tudo de lindo aqui em Porto Alegre, aproveitamos os arredores do Rio Grande do Sul. Fomos a Gramado, a um hotel fazenda... Aproveitamos muito! Por isso, para nós é um orgulho muito grande. A dor que te dá deixar uma cidade em que você fez amigo, na qual nossos filhos deixam grandes amizades..."

Os filhos deixam amizades, e Luis Suárez deixa uma legião de fãs no futebol brasileiro. Tricolores ou não.