<
>

Time da MLS já busca novo atacante, e Alexandre Pato, com sondagens do Brasil, tem futuro indefinido para 2022

ESPN.com.br apurou com que a renovação de contrato entre Alexandre Pato e Orlando City esfriou, e o atacante deve ficar livre no mercado para 2022


O atacante Alexandre Pato deve ficar livre no mercado a partir de 2022. O ESPN.com.br apurou que as conversas por uma renovação de contrato do atacante com o Orlando City esfriaram e não deve haver um acordo entre as partes.

A reportagem apurou ainda que o Orlando City está de olho no mercado e tem o atacante Brian Ocampo, do Nacional, do Uruguai, como substituto para o brasileiro. Com contrato com o time uruguaio apenas até o final deste ano, a revelação de apenas 22 anos poderia chegar de graça aos Estados Unidos.

A contratação de Ocampo passa muito pelo perfil de reforço buscado pela equipe norte-americana, que mira jovens de clubes sul-americanos e que podem ser vendidos futuramente por um valor bastante superior ao de compra ao mercado internacional.

Mesmo sendo bem quisto pelo Orlando City, o brasileiro sofreu muito com o excesso de lesões na atual temporada e foi a campo apenas em quatro partidas das 34 possíveis.

Ainda existe um prazo para que as partes cheguem a um acordo antes do final do contrato de Pato, que vai até o o dia 31 de dezembro, mas isso parece distante neste momento. Uma mudança para outro time da MLS também é tida como 'praticamente impossível' por conta da condição física e falta de ritmo de jogo de Pato.

A tendência é que o futuro do atacante esteja mesmo no Brasil. Conforme antecipado pelo ESPN.com.br, Pato vem sendo monitorado e recebeu consultas por parte de algumas equipes brasileiros para a temporada 2022.

Um dos fatores que ajudam em uma hipotética volta de Pato ao Brasil é o salário recebido pelo atacante. Conforme divulgado pela própria MLS, os vencimentos do atacante são de US$ 272,7 mil, cerca de R$ 1,5 milhão ao ano, que daria pouco mais de R$ 100 mil mensais, algo viável para a grande maioria dos times nacionais.