<
>

Mourinho reencontra Inter de Milão, onde 'mimou' Ibra, chorou abraçado a Materazzi e viu Balotelli 'causar'

José Mourinho, hoje na Roma, dirigiu a Inter de Milão em duas temporadas, conquistando o bicampeonato italiano e também a cobiçada Champions League, em 2009/10


Roma e Inter de Milão fazem o clássico da rodada do Campeonato Italiano neste sábado (4), às 14h (de Brasília), no Estádio Olímpico, com transmissão ao vivo pela ESPN no Star+.

Com o sonho de assumir a liderança pela primeira vez na atual temporada, a atual campeã Inter terá pela frente um reencontro especial, já que enfrentará pela primeira vez José Mourinho, técnico que tanto sucesso fez com a camisa azul e preta.

O português dirigiu a Inter por duas temporadas, entre 2008 e 2010, com desempenho de 67 vitórias em 108 jogos. Com Mourinho, o clube sagrou-se bicampeão italiano, venceu a Copa da Itália, a Supercopa da Itália e principalmente a Champions League, em 2009/10.

Além dos resultados, a passagem do Special One também ficou marcada por algumas histórias com estrelas do elenco, como Zlatan Ibrahimovic, Samuel Eto'o, Mario Balotelli e tantos outros.

Relembre abaixo algumas histórias de Mourinho pela Inter:

Ibrahimovic 'mimado'

Demitido do Chelsea em setembro de 2007, Mourinho passou alguns meses sabáticos até assumir a Inter no verão europeu de 2008. Antes de chegar ao clube, já construiu um relacionamento positivo com a maior estrela do elenco na época, Ibrahimovic.

O treinador chegou a ligar para Ibra, durante a disputa da Eurocopa em 2008, para desejar bons jogos pela Suécia. A confiança foi correspondida pelo astro, que anotou 29 gols na temporada 2008/09 e ajudou Mourinho a ganhar o primeiro título italiano.

Até que Ibra quis se mudar para o Barcelona, a fim de realizar o sonho de ser campeão europeu. Mourinho tentou segurá-lo, sem sucesso, mas não perdeu a chance de provocar. "Você vai para lá para vencer a Champions, mas nõs é que seremos os campeões". Dito e feito.

Sedução a Eto'o

A Inter vendeu Ibrahimovic ao Barcelona, que pagou uma quantia em dinheiro e ainda cedeu Samuel Eto'o. O camaronês parecia cético ao trocar o clube, mas foi convencido ao receber uma foto de Mourinho em seu celular.

"Foi muito simples. Ele me enviou uma foto com a camisa da Inter com o número 9 e me disse: 'É sua. Está te esperando'". A tática deu certo: Eto'o virou peça chave da Inter campeã europeia e anotou 16 gols na temporada 2009/10.

A bronca em Balotelli

Eto'o chegou para reforçar um elenco que já tinha outros atacantes de nome, como Mario Balotelli. O italiano, aliás, protagonizou uma das histórias mais engraçadas vividas por Mourinho na Inter.

Pela segunda rodada da fase de grupos da Champions, em 2009/10, a Inter enfrentou o Rubin Kazan, fora de casa. O placar estava 1 a 1 no intervalo, e Balotelli estava amarelado. Mourinho, então, passou instruções claras ao problemático atacante.

"Gastei 14 dos meus 15 minutos de intervalo com ele. Disse que não era para encostar em ninguém, porque não tinha outro atacante no banco e não podia perdê-lo. Recomeça o jogo e, na primeira bola que ele pega, cartão vermelho", lembrou Mourinho, aos risos, anos depois.

Guerra contra o Barça

No caminho para conquistar a Europa, a Inter esbarrou no Barcelona, na época o atual campeão e dono do futebol mais badalado do planeta. Na primeira partida da semifinal, vitória por 3 a 1 em Milão, que permitia ao time de Mourinho até perder por um gol no Camp Nou.

A partida na capital da Catalunha foi um show à parte do técnico, que deu uma cartada logo antes de rolar a bola: colocou Luis Figo, então diretor da Inter e que virou persona non grata na cidade ao trocar o Barça pelo Real Madrid, no banco. Assim, atraiu a ira dos torcedores para o banco e tirou um pouco da pressão sobre os jogadores em campo.

Thiago Motta acabou expulso no primeiro tempo, mas Mourinho não deixou barato. Segundos depois, foi até a área técnica do Barcelona e, enquanto Pep Guardiola passava instruções a Ibrahimovic, balbuciou em seu ouvido: "Você acha que acabou, mas está longe de acabar".

A Inter perdeu o jogo por 1 a 0, resultado que foi suficiente para colocar o clube na decisão da Champions. Semanas depois, o título veio com vitória por 2 a 0 sobre o Bayern de Munique, no Santiago Bernabéu, gols do argentino Diego Milito. Foi a despedida de Mourinho da equipe.

Choro com Materazzi

O último ato de Mourinho como treinador da Inter foi visto do lado de fora do Bernabéu. A caminho de uma reunião que selaria seu acordo com o Real Madrid, o treinador avistou o zagueiro Marco Materazzi do lado de fora do ônibus do clube.

O Special One, então, desceu do carro em que estava, foi em direção ao defensor e o abraçou de forma carinhosa. Os dois, conhecidos pela personalidade durona, não seguraram as lágrimas e choraram abraçados, até Mourinho se recompor, voltar ao veículo e partir.

"Se eu tivesse voltado a Milão, com os torcedores cantando 'José, fique conosco', talvez eu nunca tivesse saído. Eu não havia assinado com o Real Madrid antes da final. Eu queria ir para o Real, eles já me queriam no ano anterior, e eu fui à casa de Moratti, e ele me impediu. Havia dito não ao Real quando estava no Chelsea, e você não pode dizer 'não' três vezes ao Real", disse o treinador.