<
>

Ex-parceiro diz que Balotelli perseguia colegas de time com isqueiro: 'Queria atear fogo no cabelo'

Simon Skrabb, ex-companheiro de Mario Balotelli no Brescia, lembrou de atitude polêmica do atacante durante sua recente passagem pelo clube, que atualmente disputa da Série B italiana


Ao longo de toda a sua carreira, o atacante Mario Balotelli sempre ficou marcado por algumas polêmicas fora dos gramados. E na sua recente passagem pelo Brescia, no futebol italiano, não foi diferente para o jogador de 31 anos, que atualmente defender o Adana Demirspor, da Turquia.

Ex-meio-campista do clube italiano, que atualmente disputa a Série B do Campeonato Italiano, o finlandês Simon Skrabb lembrou de uma atitude nada convencional do atacante. Segundo ele, Balotelli perseguia seus colegas de time com um isqueiro e um spray para atear fogo em seus cabelos.

“Na hora achei que ele era um cara legal. No começo ele era uma espécie de capitão do time. Depois veio o confinamento [por conta da pandemia] e ele sumiu. Ele ficou meio estranho, perseguindo pessoas com isqueiros e spray de cabelo para botar fogo nelas. Você não sabia com o que ia sair", revelou Skrabb, em entrevista ao veículo finlandês "Expressen".

O finlandês atuou ao lado de Balotelli na temporada 2019/20, que foi interrompida por conta da pandemia de COVID-19. A Itália, por sua vez, foi um dos epicentros do vírus na Europa.

Por outro lado, Skrabb ainda lembrou que, apesar das suas estripulias, o atacante italiano também o ajudou durante sua adaptação ao futebol italiano.

"Em Brescia ninguém falava inglês e me lembro que, na primeira vez que tive Mario Balotelli como intérprete, no início tudo foi incrível. Quando cheguei era um lindo inverno, fiz a estreia contra o Milan e nos classificamos com a Finlândia para a Eurocopa. Então veio o COVID e tudo mudou", finalizou.

Durante sua passagem pelo Brescia, Balotelli disputou apenas 19 jogos e marcou cinco gols. Ao final da temporada, o clube terminou rebaixado novamente à segunda divisão italiana.