<
>

Libertadores: Palmeiras quebra marca de 20 anos e repete feito de Santos de Pelé e São Paulo de Telê

Palmeiras é o primeiro bicampeão da Libertadores desde o Boca Juniors, em 2000-01, e repete feito de Santos, em 1962-63, e São Paulo, em 1992-93


Ser bicampeão da Conmebol Libertadores é para poucos. Pois é para este grupo que o Palmeiras entrou neste sábado (27), ao superar o Flamengo na grande final em Montevidéu, no Uruguai, e confirmar mais um título pelas mãos de Abel Ferreira.

Com pouco mais de um ano de clube, o técnico português levou o Verdão a dois títulos consecutivos de Libertadores, o que não acontecia no maior torneio da América do Sul há 20 anos.

A última vez foi com o Boca Juniors, que ganhou os torneios em 2000 e 2001 liderado pelo meia Juan Román Riquelme em campo e pelo histórico técnico Carlos Bianchi no banco.

Ganhar o bicampeonato consecutivo também coloca o Palmeiras em um grupo no Brasil que, até hoje, só tinha Santos e São Paulo. O Peixe, estrelado por Pelé e companhia, levantou os canecos em 1962 e 1963, enquanto o Tricolor, sob a batuta de Telê Santana, foi campeão em 1992 e 93 (além de ser vice, em 1994).

Na história da Libertadores, outros três times ganharam duas vezes seguidas: Peñarol (1960 e 61), Independiente (1964 e 65) e Boca Juniors (1977 e 78), sem contar o tricampeão Estudiantes (1968, 69 e 70) e o tetra Independiente (1972, 73, 74 e 75).

Campeão da América novamente, o Palmeiras garante vaga na disputa do Mundial de Clubes, marcado para fevereiro, e também na final da Recopa Sul-Americana, contra o Athletico-PR, que conquistou a Copa Sul-Americana uma semana antes.