<
>

Como presidente da FPF se envolveu em caso de árbitro expulso de 'bolha' após erro de Edina Alves

play
Assédio moral com 'punições invisíveis': Renata Ruel explica polêmica que toma conta da FPF (2:35)

Comentarista de arbitragem relatou ofensas e xingamentos nos 'mandachuvas' da arbitragem paulista (2:35)

Presidente da Federação Paulista de Futebol (FPF), Reinaldo Carneiro Bastos envolveu-se diretamente no caso que levou o árbitro Leandro Carvalho da Silva a ser expulso de um hotel em São Paulo e denunciado à Corregedoria de Arbitragem do órgão após um erro em campo de Edina Alves Batista, um dos principais nomes do apito nacional no momento. E ele foi surpreendido com vários relatos negativos em relação à presidente da Comissão Estadual de Arbitragem, Ana Paula Oliveira, apurou o ESPN.com.br.

O mandatário agiu após a revelação de todo o imbróglio pela reportagem, em 1º de maio, que teve como estopim a não aplicação de um cartão vermelho em Inter de Limeira 0 x 2 Red Bull Bragantino em 5 de abril, pela quinta rodada do Campeonato Paulista, e o não relato da situação na súmula do jogo.

Edina Alves apitou aquela partida, enquanto Leandro Carvalho foi o quarto árbitro e o responsável por preencher o documento. Ambos e os assistentes, Luiz Alberto Andrini Nogueira e Evandro de Melo Lima, divergiram no vestiário sobre colocar ou não o erro na súmula. No fim, decidiram por não o fazê-lo.

Tão logo tomou conhecimento do assunto, Reinaldo Carneiro Bastos convocou para reuniões todos os árbitros que estavam na ‘bolha’, como foi chamada a concentração dos profissionais de apito e bandeira que se deu no Hotel Panamby, na zona Oeste da capital paulista, para a disputa do estadual.

Foram quatro turmas de 20 profissionais cada, resultando em um total de 80, e os encontros com o presidente da FPF foram presenciais, na sede do órgão. A princípio, ele quis ouvir sobre o caso envolvendo Edina Alves e Leandro Carvalho, mas acabou surpreendido com vários depoimentos de insatisfação com a chefe do apito paulista.

Principais queixas

O entendimento geral nas conversas, segundo relatos ouvidos pela reportagem, é o de que a denúncia de Leandro Carvalho foi só a “gota d’água”. Entre as principais queixas estão a forma “rude”, “arrogante” e até “agressiva” como Ana Paula Oliveira trata os profissionais, pessoalmente ou nas lives que faz com eles, “ser uma pessoa difícil de lidar” e “não saber conduzir bem” certas situações. Vários citaram que houve um pedido geral para que Leandro fosse reintegrado, o que ela não atendeu.

Até mesmo alguns membros da comissão de arbitragem estariam contrariados com os modos de ação da chefe - além de Ana Paula, fazem parte dela Ednilson Corona, vice-presidente, e os membros Celso Barbosa de Oliveira, Marcio Verri Brandão e Tatiane Sacilotti dos Santos Camargo.

Os relatos seguem a linha do reportado pela analista de arbitragem da ESPN Brasil Renata Ruel no último dia 2 de junho, no SportsCenter: “Árbitro ser chamado de mentiroso em live com mais de 100 árbitros, árbitro em vestiário ser chamado pela dirigente de fraco, outro de gordinho, árbitro ficando fora de escala por questões estéticas...” Clique aqui e assista na íntegra.

Reinaldo Carneiro Bastos ouviu todos com bastante atenção, deixou claro que “respeita todo mundo que trabalha com ele”, o que foi entendido por quem ouviu como um recado de confiança em Ana Paula, e que não daria uma “canetada” no caso para que Leandro Carvalho fosse reintegrado e voltasse à ‘bolha’.

No entanto, o presidente da FPF disse que pediria à Corregedoria de Arbitragem para acelerar o processo, dar prioridade a ele. A reportagem não conseguiu a informação de que houve tal pedido, mas Leandro Carvalho voltou à ativa em jogos de menor apelo e após uma ‘mini-geladeira’ de 18 dias, enquanto Edina Alves seguiu sua rotina de trabalho em partidas relevantes.

Embora não haja qualquer canal disponibilizado pela FPF para que se acompanhe o andamento de casos na Corregedoria, o ESPN.com.br apurou que novas reuniões, virtuais e individuais, estão para acontecer entre estas quinta e sexta-feira (10 e 11 de junho) com o quarteto envolvido no jogo Inter de Limeira 0 x 2 Red Bull Bragantino com a responsável pela Corregedoria, Margarete Barreto, chamada pelos profissionais de “doutora Margarete”.

Outro lado

No último dia 4 de junho, a reportagem solicitou formalmente à FPF entrevistas com Ana Paula Oliveira, Edina Alves Batista e Leandro Carvalho da Silva para tratar deste e de outros assuntos, mas recebeu como resposta da assessoria de imprensa, no dia 7, que “por ora, não será possível agendar essas entrevistas”.

Na manhã desta quinta-feira (10), a reportagem novamente fez contato com a assessoria de imprensa do órgão, via e-mail, às 8h43, desta vez informando sobre a realização de uma nova reportagem e pedindo um posicionamento atual sobre o caso e, se possível, respostas a quatro questões específicas até às 10h.

A resposta chegou às 9h11.

“A FPF tem recebido por parte do jornalista Jean Santos questionamentos sem nenhum tempo hábil para resposta, o que mostra uma clara falta de compromisso com jornalismo profissional e de qualidade.” A reportagem respondeu, então, às 9h29, questionando qual o tempo necessário para a obtenção das informações pedidas, mas não houve mais qualquer manifestação – caso chegue, será acrescentada aqui.