<
>

Cruzeiro 'goleia' rivais em lista de treinadores demitidos, dispara e vai para o 9º em dois anos; veja o top 5

play
Presidente do Cruzeiro anuncia demissão de Felipe Conceição e pede desculpas ao torcedor: 'Inadmissível que seja eliminado nessa fase' (1:41)

Sérgio Santos Rodrigues falou após a eliminação do time mineiro para a Juazeirense (1:41)

Felipe Conceição não é mais o treinador do Cruzeiro. O técnico não resistiu à eliminação para a Juazeirense, na terceira fase da Copa do Brasil, e deixa o comando da equipe mineira. A demissão escancara ainda mais os problemas que tem a Raposa.

Isso porque, em um período de dois anos - de junho de 2019 até junho de 2021 - o Cruzeiro está indo para o 9º treinador, sendo o segundo dos chamados '12 grandes' a demitir na atual temporada.

No atual mês de 2019, Mano Menezes era o comandante. De lá para cá, outros sete nomes passaram pela Toca da Raposa. Foram eles: Rogério Ceni, Abel Braga, Adilson Batista, Enderson Moreira, Ney Franco, Felipão e Conceição, atual demitido.

Para se ter uma ideia, o clube mineiro é disparado o que mais demitiu nesse período. Abaixo dele está o trio carioca formado por Botafogo, Fluminense e Vasco. Os três tiveram, sem contar os interinos, seis treinadores desde então.

Logo abaixo, com cinco treinadores cada, aparecem Santos e Internacional. Na quarta posição, vem Atlético-MG, Palmeiras e Corinthians que, desde junho de 2019, tiveram quatro nomes distintos no banco de reservas.

play
1:41

Presidente do Cruzeiro anuncia demissão de Felipe Conceição e pede desculpas ao torcedor: 'Inadmissível que seja eliminado nessa fase'

Sérgio Santos Rodrigues falou após a eliminação do time mineiro para a Juazeirense

Fechando o top 5, São Paulo e Flamengo. Os dois tiveram 'apenas' três treinadores no período de dois anos.

Veja abaixo a lista de cada clube, quantos e quais treinadores passaram por cada um:

  • 8 treinadores - Cruzeiro (Mano Menezes, Rogério Ceni, Abel Braga, Adilson Batista, Enderson Moreira, Ney Franco, Felipão e Felipe Conceição)

  • 6 treinadores - Botafogo (Eduardo Barroca, duas vezes, Alberto Valentim, Paulo Autuori, Ramón Díaz e Marcelo Chamusca)

  • 6 treinadores - Vasco (Luxemburgo, duas vezes, Abel Braga, Ricardo Sá Pinto, Ramon Menezes e Marcelo Cabo)

  • 6 treinadores - Fluminense (Diniz, Oswaldo de Oliveira, Marcão, duas vezes, Odair Hellmann e Roger Machado)

  • 5 treinadores - Internacional (Odair Hellmann, Zé Ricardo, Eduardo Coudet, Abel Braga e Miguel Ángel Ramírez)

  • 5 treinadores - Santos (Jorge Sampaoli, Jesualdo Ferreira, Cuca, Ariel Holán e Fernando Diniz)

  • 4 treinadores - Atlético-MG (Rodrigo Santana, Vagner Mancini, Rafael Dudamel e Jorge Sampaoli)

  • 4 treinadores - Palmeiras (Felipão, Mano Menezes, Luxemurgo e Abel Ferreira)

  • 4 treinadores - Corinthians (Carille, Tiago Nunes, Vagner Mancini e Sylvinho)

  • 3 treinadores - Flamengo (Jorge Jesus, Domènec Torrent e Rogério Ceni)

  • 3 treinadores - São Paulo (Cuca, Fernando Diniz e Hernán Crespo)

O destaque 'positivo' fica por conta do Grêmio. De 2019 para cá, apenas dois treinadores. Renato Gaúcho, que assumiu o clube em 2016, foi demitido após queda precoce na Conmebol Libertadores e deu fim ao trabalho mais longevo do país até então. Para o seu lugar, veio Tiago Nunes.