<
>

Após 25 casos de COVID-19, River Plate diz que jogará 'com o que tem', mas pede à Conmebol inscrição de dois novos goleiros

play
Riquelme é 'sincerão' e revela único diferencial que ofereceu para Cavani escolher Boca: 'Nem isso temos mais' (0:37)

Lendário camisa 10 e atual dirigente do clube argentino, Riquelme falou com exclusividade à ESPN (0:37)

O River Plate vive uma situação dramática. A equipe soma 25 casos positivos de COVID-19 no elenco e não tem goleiro para mandar a campo no duelo contra o Independiente Santa Fe, nesta quarta-feira (19), em Buenos Aires.

Por conta disso, os Millonarios emitiram um comunicado oficial na madrugada desta terça-feira requisitando à Conmebol que inscreva Alan Leonardo Díaz e Agustín Gómez, goleiros relacionados na eliminação para o Boca Juniors no Campeonato Argentino.

O regulamento da Conmebol informa que uma equipe deve entrar em campo se tiver sete atletas aptos para a competição. Porém, após consultar o jurídico do clube, o River Plate pede à entidade que adapte a situação em relação a particularidade da posição de goleiro e também com a possibilidade de fazer uma alteração na lista de inscritos em caso de lesões, independentemente da fase da competição.

Na última segunda-feira, o River Plate sofreu cinco novas baixas: Ponzio, Montiel, Vigo, Beltrán e Londoño. Armani, Bologna, Lux e Petroli, os quatro goleiros inscritos, foram contaminados ainda antes do final de semana e seguem em recuperação.

O River Plate está na segunda colocação do Grupo D com apenas seis pontos, dois a menos do que o líder Fluminense e três a mais do que o Junior Barranquilla. O Santa Fe é o lanterna da chave com dois pontos.

Veja abaixo o comunicado oficial do River Plate:

432 dias após a declaração da pandemia internacional de COVID-19, o Atlético River Plate Clube encontra-se hoje com um time de futebol que, apesar de ter cumprido todos os protocolos, tem 25 casos positivos de coronavírus.

É desanimador constatar que não bastou desenhar processos específicos e ampliar o cuidado para evitar uma espiral de infecções dessa natureza. Desde que voltou a treinar, River Plate deixou de se concentrar no Monumental para fazê-lo em hotéis onde cada pessoa tinha um quarto individual, foram criadas bolhas, foram reforçadas medidas de higiene e uso de máscara, modificou-se a modalidade de traslados no solo e no ar, e jogadores e treinadores foram testados centenas de vezes, com PCR complexo e testes de antígeno para reforçar os controles. Esses testes foram feitos ainda mais vezes do que o necessário, sabendo que era um mecanismo fundamental para evitar infecções massivas. Além disso, o cuidado foi reforçado nos dias de jogos,

No entanto, no quadro de um dos momentos mais críticos da pandemia a nível regional e no nosso país em particular, que hoje confirma 28.680 novas infecções e 505 óbitos, considerando o caráter excepcional da situação objectiva e concreta que implica ter um número de jogadores inferior ao necessário para jogar uma partida em condições normais, e após fazer as averiguações e consultas técnicas do caso, o Club Atlético River Plate informa que se ajustará ao regulamento da CONMEBOL que estabelece que enquanto houver um Um mínimo de sete jogadores elegíveis das equipes de boa-fé devem comparecer para competir, caso contrário, eles estarão sujeitos às sanções decorrentes dos regulamentos.

Da mesma forma, no que se refere à posição do goleiro, também adequando-se ao regulamento - dada a particularidade da posição e de acordo com as disposições relativas à substituição por lesão em qualquer momento da competição - o River Plate elevou-se à área de competição da CONMEBOL a nota solicitando a substituição de Alan Leonardo Díaz e Agustín Gómez da lista de boa fé.

Neste contexto difícil e em linha com a conduta sustentada ao longo desta pandemia, a principal preocupação do Club Atlético River Plate centra-se na saúde e bem-estar dos seus jogadores, comissão técnica e respectivas famílias.