<
>

Sem chances no São Paulo, ex-pupilo de Ceni renasceu na Série B; hoje é paredão do Ceará na Copa do Nordeste

Richard é goleiro do Ceará, que enfrentará o Salgueiro-PE pela última rodada da fase de grupos da Copa do Nordeste. O time alvinegro busca a liderança da chave para os mata-matas.

O FOX Sports transmite Ceará x Salgueiro-PE ao vivo, neste sábado (10), a partir das 16h (horário de Brasília).

O goleiro ficou conhecido após defender três penalidades na final da Copa São Paulo de futebol júnior de 2010. Logo após ser um dos principais responsáveis pelo título conquistado contra o Santos, ele subiu aos profissionais do São Paulo, que tinha Rogério Ceni como soberano na meta tricolor, mas não teve chances de repetir o sucesso que obteve nas categorias de base.

Fã de Rogério Ceni desde a infância, o arqueiro começou a carreira no clube do Morumbi aos nove anos de idade.

"Cheguei para fazer testes o futsal e tinha uns 150 jogadores de linha e 30 goleiros. Só passavam no teste 18 jogadores de linha e três goleiros. Foi aí que decidir ir para o gol e fiquei até hoje", contou à ESPN, em 2017.

Ele fez parte de uma geração que revelou jogadores para grandes equipes e até seleção brasileira.

"Tinham ótimos caras como Bruno Uvini, Casemiro, Lucas, Oscar, Henrique Almeida, Roni e eu também (risos). Nossa categoria era a queridinha do presidente Juvenal Juvêncio, pois ganhamos todos os torneios que poderíamos", recordou.

Incluindo a Copa São Paulo de 2010, a penúltima edição da competição vencida pelo clube tricolor.

"Meu melhor momento foi a conquista da Copa São Paulo de futebol júnior depois de dez anos sem esse título. Havia uma pressão muito grande, mas graças a Deus pude defender três cobranças de pênalti e ajudar o São Paulo a ganhar", comemorou.

Com o destaque, Richard foi incorporado aos profissionais do elenco tricolor, mas enfrentou uma forte concorrência.

"No começo era muito tímido. Isso me atrapalhou um pouco, mas fui me soltando, mas tinha Rogério, Bosco, Dênis e o Léo à minha frente. Era difícil ter oportunidade", analisou.

Apesar de não atuar, ele conseguiu tirar importantes de lições do principal goleiro da história do São Paulo.

"Minha referência sempre foi o Rogério por tudo que ele conquistou dentro do clube e por ter convivido e feita uma boa amizade com ele", comentou.

Só que chegou uma hora em que o arqueiro se cansou de ficar no banco de reservas.

"Saí do São Paulo para buscar meu espaço. Era acostumado a jogar e ficar só treinando sem sentir aquilo tudo que envolve o jogo era torturante pra mim. Fui bem, tive algumas lesões e atrasou um pouco o processo", lamentou.

Depois, o arqueiro rodou por times como América-SP, Paulista, Rio Claro, Operário e Água Santa-SP.

Após se destacar pela equipe de Diadema no Campeonato Paulista da Série A-2, ele teve algumas ofertas e quase acertou com o Londrina, mas uma proposta do Paraná o fez mudar de ideia.

A chance de jogar pelo time veio com a saída do goleiro Léo para o Athletico-PR. Após ser um dos destaques da equipe na Série B de 2017 e conseguir o acesso para a elite do Brasileiro, Richard voltou a ganhar projeção no cenário nacional.

Em 2019, foi contratado pelo Ceará. Após alternar períodos como reserva e titular, ele ganhou a posição de Fernando Prass no ano passado e se consolidou na equipe no segundo semestre de 2020. Pela equipe alvinegra, ele venceu a última edição da Copa do Nordeste.