<
>

Champions League: alvo do Palmeiras virou destaque do Porto após bronca de Dunga

Otávio é uma das maiores armas do Porto para tentar eliminar a Juventus nas oitavas de final na Uefa Champions League, nesta terça-feira, no Allianz Stadium, em Turim. No duelo de ida, no estádio do Dragão, o time português venceu por 2 a 1.

Segundo o jornal "A Bola", o jogador de 26 anos é alvo do Palmeiras para o meio do ano, quando termina o contrato do jogador com o clube europeu.

Nascido em João Pessoa, na Paraíba, Otávio começou a jogar bola aos 7 anos de idade. Aos 10, ingressou nas categorias de base do Santa Cruz. Promissor, fez um teste no Internacional e foi aprovado, quando tinha 14 anos.

Nos tempos de base, o jogador ficou conhecido como Otavinho, por ser baixo. Rápido e habilidoso, logo chegou à seleção brasileira sub-20, à época comandada pelo técnico Alexandre Gallo.

Indicado pelo técnico Clemer ao time profissional, foi promovido por Dorival Júnior.

"Existia uma integração muito boa da base com o profissional. Eles nos deram todas as informações do Otávio. A gente via que tinha em grande potencial. Era um jogador de lado e com muita força física e intensidade. Ele conseguia unir a resistência de recompor na marcação a uma transição muito rápida na parte ofensiva. Ele tem o um contra um muito forte na parte individual e tinha um ótimo chute de fora da área", disse Ivan Izzo, ex-auxiliar do Internacional, ao ESPN.com.br.

Aos 17 anos, o meia estreou contra o Santos, em julho de 2012, no Campeonato Brasileiro.

"Eu tinha sido campeão pelo sub-17 e estava preparado para folga quando me ligaram para treinar no profissional no dia seguinte. Fui falar com o Dorival e achei estranho, mas ele me mandou só correr para recuperar. Ele me disse que ia passar um tempo lá no time de cima, e que talvez fosse relacionado. Dei sorte, pois contra o Santos houve três cortes e eu acabei indo para o jogo, não esperava. Fui e ainda consegui entrar e quase fiz um gol!", contou o meio-campista, em 2015, à ESPN.

Depois disso, Otávio ficou de vez no elenco principal do Inter, mesmo com Fernandão assumindo como técnico depois.

"O elenco do Inter era recheado de craques vitoriosos, que o ajudaram muito no crescimento. Ele era um garoto um pouco introvertido, mas de muita personalidade dentro de campo. Não tivemos dúvida ou insegurança de lançá-lo no time. Ele nem passou pela equipe sub-23 de transição. Ele conquistou o espaço pelo que demonstrou", disse Ivan.

Bronca de Dunga

O descuido com a forma física, no entanto, quase impediu que o atleta emplacasse no futebol profissional.

Após férias, o meia passou do ponto e voltou "gordinho" aos treinos do Inter, em 2012. Foi uma bronca forte do técnico Dunga, então comandante vermelho, que o fez entrar nos eixos.

"O Dunga é um cara que eu tenho uma enorme gratidão. Ele me ajudou muito, porque eu tinha problema com peso. Eu estava lesionado e depois emendei as férias, estava há quase quatro meses sem jogar. Estava triste, acabei descontrolando, voltei acima do peso. Pediram para os garotos do Inter B, como eu e o Lucas Lima, voltarmos mais cedo das férias para jogar o Gauchão. O Dunga já tinha me visto jogar antes pelo profissional, e um dia me chamou para conversar, logo quando voltei. Fechou a cara e me deu uma puta bronca!", lembra o jogador.

"Ele disse que precisava me cuidar, que precisava cuidar do meu corpo, porque era meu instrumento de trabalho. E graças a essa conversa eu me motivei e sigo até hoje me cuidando demais, nunca mais deixei passar. O Dunga é um cara fantástico, e o agradeço até hoje. Quando você ouve algo assim de um capitão vencedor de Copa do Mundo, tem um peso ainda maior. Foi muito bacana, porque ele confiava e mim e demonstrava isso", elogia.

Depois de entrar em forma, Otávio passou a "voar" em campo. O primeiro gol saiu contra o Cruzeiro, antes da parada para a Copa das Confederações de 2013, em momento eternizado na mente do garoto.

Bicampeão gaúcho em 2013 e 2014, foi negociado com o Porto em setembro, após pouco mais de 60 jogos pelo Inter.

Pouco depois de chegar ao "Dragão" foi emprestado por duas temporadas ao Vitória de Guimarães para ganhar experiência.

Ao voltar para o Porto, em 2016, ele se firmou como titular e um dos maiores destaques do clube. Ano passado, seu nome foi cogitado até para a seleção portuguesa.

Com contrato até o meio 2021, o brasileiro tem uma cláusula de rescisão de 60 milhões de euros.

"Fico feliz de vê-lo em um grande clube europeu tendo atuações de destaque na Champions League. Pudemos ter uma participação, mesmo que pequena, na trajetória dele", finalizou Ivan.