<
>

Palmeiras negocia com destaque do Cerro Porteño, espera aval de Abel Ferreira e tem impasse com agente; entenda os bastidores

Além de um novo treinador, o Palmeiras busca também a chegada de reforços para a equipe. O ESPN.com.br apurou com fontes ligadas ao clube e à negociação que o time paulista realizou uma oferta de US$ 2,5 milhões, algo em torno de R$ 14 milhões, para ter 70% do meio-campista Mathías Villasanti, do Cerro Porteño.

O time de Chiqui Arce, no entanto, pede US$ 6 milhões, cerca de R$ 36 milhões, por 100% dos direitos econômicos do atleta.

A expectativa por parte dos paraguaios é que o Palmeiras aumente a oferta para US$ 4 milhões, próximo de R$ 24 milhões, por 70% para que a negociação seja fechada.

Em todo o caso, a contratação ainda depende do aval de Abel Ferreira, que deve ser anunciado nesta sexta-feira como novo técnico.

Apesar da oferta realizada agradar o rival paraguaio e da negociação ter avançado, existe um imbróglio o qual o clube paulista precisará resolver. O ESPN.com.br entrou em contato com Regis Marques Chedid, empresário autorizado pelo Cerro Porteño a negociar atletas do Paraguai com o futebol brasileiro.

O agente aponta que o Palmeiras, ao invés de realizar a negociação com ele próprio ou diretamente com o Cerro Porteño, tem deixado todos os trâmites nas mãos de Augusto Paraja e Renato Bittar, representantes de Mathías Villasanti, comportamento que foi duramente criticado por Regis ao ESPN.com.br em relação à diretoria do clube paulista.

Ainda de acordo com apuração da reportagem, o clube paulista nega o comportamento acusado por Regis e ainda garante que todas as negociações realizadas pelo Palmeiras nos últimos meses têm sido realizada diretamente de clube para clube, discutindo com empresários apenas os contratos dos atletas.

O ESPN.com.br entrou em contato com os agentes do atleta e também com Anderson Barros, diretor de futebol do Palmeiras, mas não recebeu resposta.

Por outro lado, em apuração da ESPN no Paraguai com fontes ligadas ao clube, a negociação é dada como "bastante avançada" e acredita-se que o acordo possa ser finalizado nos próximos dias.