<
>

Internacional: Thiago Galhardo saiu da Série D há 6 anos para ser artilheiro do Brasileiro e destaque

play
Thiago Galhardo, do Inter, relembra começo de carreira após ser concursado pela Petrobras e admite: 'Eu me deslumbrei' (1:17)

Destaque do Colorado é o Bola da Vez desta semana (1:17)

É difícil imaginar que Thiago Galhardo é hoje um dos destaques do Internacional que lidera o Campeonato Brasileiro pensando em sua carreira há seis anos. No segundo semestre de 2014, ele vivia um momento complicado no Brasiliense. O meia tinha acabado de ser eliminado nas quartas de final da Série D pelo Brasil de Pelotas-RS e tinha ficado sem o acesso para a terceira divisão nacional.

Poucos anos antes, ele tinha trocado um emprego na Petrobras – com um salário de R$ 4,5 mil mensais - para se aventurar no futebol atuando na base do Bangu recebendo apenas uma ajuda de custo.

Depois de um começo promissor no futebol, sendo emprestado para o sub-20 do Botafogo, o jogador não tinha conseguido a projetação esperada. Tinha rodado por vários times menores e estava desanimado.

A vida de Thiago Galhardo começou a mudar quando ele conheceu o empresário Flávio Trivella, que resolveu agenciá-lo.

“Perguntei o que ele queria. Ele me disse que queria retomar a carreira em alto nível. Eu disse que confiava plenamente nele, mas que enxergava que deveria jogar mais adiantado. Na época ele jogava como um camisa 8 [segundo volante], eu achava que ele deveria jogar como um meia atacante, um camisa 10”, disse o agente, ao ESPN.com.br.

Trivella, que tinha uma parceria com a diretoria do Madureira e uma boa relação com o treinador da equipe, levou o meia para jogar o Carioca de 2015.

“A gente combinou que se ele fosse bem iriam vir clubes da Série A do Brasileiro atrás dele. E não deu outra. Ele teve números muito bons jogando mais adiantado no Carioca e foi para o Coritiba”, contou.

“No começo ele olhou meio desconfiado porque eu falava meio diferente, cheio de filosofia. Mas quando as coisas deram certo, ele viu que estava do lado dele. O inicio foi marcante, mas teve uma evolução rápida em todos os aspectos. Ele não teve uma queda esportiva ou financeira”.

Depois de jogar a elite nacional em 2015, ele foi emprestado ao Red Bull para o Paulistão de 2016. “Ele foi destaque e despertou interesse do Corinthians e do Santos, mas nós fechamos com a Ponte Preta para jogar o Brasileiro. Ele foi muito bem e foi emprestado ao Albirex Niigata, do Japão”, contou.

Em 2018, Galhardo foi contratado pelo Vasco, no qual viveu bons momentos, mas teve uma saída conturbada no ano passado.

“Tinha uns três ou quatro clubes do Brasil que estavam interessados, mas quem fez a melhor proposta financeira e de projeto foi o Ceará. É um clube muito organizado, que está colhendo os frutos. Foi ali que ele teve maior protagonismo. Virou o cara que decidia”, disse.

Contratado no começo do ano pelo Internacional, Thiago Galhardo explodiu de vez. Virou artilheiro do Brasileiro – 8 gols marcados – e lidera a Bola de Ouro de melhor jogador do torneio pelo Prêmio ESPN Bola de Prata Sportingbet.

“A guinada na carreira dele foi que ele se conscientizou que precisava se cuidar mais e canalizar a energia. Ele está bem cercado de toda equipe que gira em torno dele. Meu trabalho foi ajudá-lo a se encontrar. São seis anos de parceria e achamos que virá muitas coisas boas pela frente”.

Líder do Brasileiro, o Internacional enfrentará fora de casa o Fortaleza, neste sábado (19/09), às 19h (de Brasília).

play
1:09

Galhardo elogia muito Coudet e explica funcionamento do ataque do Inter com e sem Guerrero

Destaque do Colorado é o Bola da Vez desta semana

“Acho que o momento dele é espetacular. Ele conquistou isso. Não temos aquele medo ‘será que essa fase vai passar?’ Não, isso é uma conquista interna dele e madura. Ele está muito calmo”, finalizou.