<
>

Messi compra cobertura de frente para sede da Inter em Milão e jornal italiano sonha

Lionel Messi fica cada vez mais próximo da Inter de Milão e isso é um fato. Ele acaba de comprar uma cobertura no bairro Porta Nuova, em Milão, o mais nobre da cidade, que fica de frente para o edifício onde está a sede da equipe neroazzurra. Notícia que agitou os bastidores do futebol na cidade e que tem feito o jornal “La Gazzetta dello Sport” sonhar alto.

O assunto já havia esquentado quando o pai dele, Jorge Messi, adquiriu no final de julho um escritório na rua Joe Colombo, que fica atrás da cobertura adquirida agora pelo craque do Barcelona.

Os motivos que levaram o pai do jogador para Milão teriam sido exclusivamente referentes aos negócios da família. De acordo com a mídia espanhola, o fisco italiano é menos rígido do que a Espanha na tributação e nos encargos.

Inclusive, os principais periódicos afirmaram que Jorge passará mais tempo na Espanha do que na Itália, pois quer estar próximo da família e dos outros empreendimentos que tem. Por isso, veem a aquisição apenas como algo "conveniente".

Na Itália, essa versão também repercutiu, mas com desconfianças agora aumentadas com a nova aquisição do jogador. Afinal, se a preocupação é apenas com o fisco, por que Messi teria uma cobertura em Milão e diante da Inter?

Há algumas semanas, vem sendo divulgado o interesse cada vez maior dos donos do clube no argentino, pois eles querem colocar a equipe no mesmo patamar competitivo de Barcelona, Real e Bayern de Munique.

Sabem que para isso é preciso títulos internacionais e craques.

Desde 2016, a multinacional Suning Holdings Group, do bilionário chinês Zhang Jindong, é dona da Inter de Milão. Tanto que ele nomeou o filho dele, Steven Zhang, 27, como presidente do clube.

Reportagem do ESPN.com.br já mostrou que a aquisição de Messi não custaria nem 0,5% da fortuna de Jindong, uma vez que a operação é avaliada em 260 milhões de euros (R$ 1,6 bilhão).

O que anima o lado interista é que La Pulga está no último ano de contrato (até 30 de junho de 2021), não há conversas de renovação que tenham progredido e ele vive o período mais tumultuado nos bastidores do Barcelona, com desgate com técnico e presidente.