<
>

Goleiro do Vasco revela no Bola da Vez que quase abandonou futebol para ser recepcionista de hotel

play
No Bola da Vez, Fernando Miguel conta quando quase abandonou futebol para ser recepcionista de hotel (1:48)

Goleiro do Vasco é o convidado do Bola da Vez deste sábado (11), 22h, na ESPN Brasil e ESPN App (1:48)

O Bola da Vez segue de casa, mas segue com tudo! O entrevistado deste sábado, no programa que vai ao ar às 22h (Brasília), na ESPN Brasil e no ESPN App, é o goleiro Fernando Miguel.

Atualmente no Vasco, o arqueiro é natural de Venâncio Aires, no Rio Grande do Sul. Foi no estado gaúcho que comecou sua carreira, mais precisamente no Brasil de Pelotas em 2006. Em apenas três anos, passou por cinco clubes antes de chegar ao Esportivo, também do Rio Grande.

Foi nessa época, em 2010, que Fernando Miguel pensou em desistir do futebol e passou, inclusive, a procurar outro emprego.

“Eu tive uma passagem pelo Esportivo, não tive nenhuma lesão, acabou o meu contrato e aconteceu comigo o que acontece com muitos atletas depois dos regionais: não tinha campeonato para jogar e não apareceu nenhuma equipe para eu ser contratado. Foi aí que eu repensei a minha carreira, repensei a minha vida, tive muito claro para mim que se um dia se eu tivesse que fazer outra coisa a não ser jogar futebol, aquele era o momento de iniciar um novo ciclo e um novo rumo para a minha vida", disse.

"E foi o que aconteceu nesse momento: eu pensei mesmo em desistir e parar de jogar futebol. Fui procurar emprego e ia colocar um ponto final na minha carreira como atleta. Foi quando para a minha surpresa eu fui fazer uma entrevista num hotel para ser recepcionista. Eu falei para o cara que era jogador de futebol e não apareceu nenhum clube, que queria recomeçar minha vida."

Fernando conta, também, que acabou não desistindo da carreira de goleiro apenas pelo que ouviria a seguir do seu possível empregador.

"Aí, no final da entrevista, o dono do hotel falou que eu tinha o perfil perfeito para trabalhar com ele, mas não ia me contratar porque eu tinha nascido para jogar futebol. Eu vejo a mão de Deus nesse momento”, finalizou.