<
>

Lazio campeã italiana há 20 anos tinha checo Bola de Ouro e sul-americanos vendidos a peso de ouro

play
Lucas Leiva diz que maior desafio da Lazio na volta do futebol não é a Juventus: 'Renovar e acreditar' (1:01)

'O grande desafio para a Lazio é a própria Lazio (no Italiano); a retomada será contra a Atalanta, o time mais difícil de jogar contra', falou o volante brasileiro (1:01)

A Lazio está na briga pelo título italiano, podendo nesta temporada conquistar a taça que ganhou pela última vez há 20 anos. Diferentemente do time atual, que não está entre os mais caros do país, a equipe campeã de 2000 era um esquadrão, com jogadores renomados em todos os setores do campo.

Na defesa, o argentino Sensini e o sérvio Mihajlovic, famoso pelas cobranças de falta (foram 13 gols naquela temporada) atuavam ao lado de Nesta, cria da equipe que depois se transferiu ao Milan e foi um dos maiores zagueiros do país nos últimos anos.

No meio-campo, os argentinos Simeone, Almeyda e Veron, esse último o maior astro do trio, davam suporte a Nedved, craque checo que ganharia a Bola de Ouro posteriormente com a camisa da Juventus. O português Sergio Conceição e o sérvio Stankovic, depois campeão da Champions com a Inter de Milão, também eram importantes.

Outro sul-americano fundamental para a campanha foi o chileno Marcelo Salas, artilheiro do time no Campeonato Italiano com 11 gols. Junto dele estavam no ataque Simone Inzaghi, atual técnico do time, além dos experientes Fabrizio Ravanelli e Roberto Mancini, hoje treinador da seleção italiana.

O sucesso desse time, campeão também da Copa da Itália, se revelou nas janelas de transferência que vieram em seguida. Em 2001, Salas e Nedved foram para a Juventus, o primeiro por 25 milhões de euros e o checo por 38 milhões de euros. No mesmo ano, Verón acabou no Manchester United por 42 milhões de euros, enquanto no ano seguinte foi a vez de Nesta ir para o Milan por 31 milhões de euros.