<
>

Manchester United: dívida dispara em pandemia e chega a quase R$ 3 bilhões

O Manchester United anunciou que sua dívida aumentou para cerca de 430 milhões de libras (R$ 2,9 bilhões) em seu último balanço divulgado.

Os resultados do terceiro trimestre do clube da Premier League revelaram que a dívida líquida aumentou de 127,4 milhões de libras (R$ 881 mi) para 429,1 milhões de libras (R$ 2,9 mi), à medida que o futebol em toda a Europa enfrenta a pandemia de coronavírus.

O vice-presidente do clube, Ed Woodward, descreveu os "desafios" criados pelo coronavírus, que significam que o United não disputa um jogo desde 12 de março.

O clube também disse que espera pagar às emissoras de televisão um desconto de cerca de 15 milhões de libras (R$ 103 mi) por conta do surto "após as alterações no cronograma de transmissão e atraso para a temporada 2019-20".

"Nosso foco continua na saúde e no bem-estar de nossos colegas, torcedores e parceiros em todo o mundo. Estamos extremamente orgulhosos de como as pessoas ligadas ao clube reagiram durante essa crise", disse Woodward.

"Desde o início da pandemia, o Manchester United e nossa Fundação prestam assistência a hospitais, instituições de caridade e escolas em nossas comunidades, assim como apoio a trabalhadores da linha de frente e torcedores vulneráveis.”

"Essas ações refletem nossos valores fundamentais como clube e a resistência à adversidade que demonstramos muitas vezes ao longo de nossa longa história e faremos novamente para enfrentar esses desafios atuais.”

Apesar da incerteza fora de campo, Woodward apoiou a equipe comandada pelo técnico Ole Gunnar Solskjaer para retomada das atividades se a temporada for reiniciada em junho. O United ostenta uma invencibilidade de 11 jogos e ainda pode disputar um lugar entre os quatro primeiros da tabela do Inglês, além de brigar pelos títulos da Copa da Liga e Europa League.

Apesar das finanças do futebol terem sido afetadas, o clube também revelou uma reserva em dinheiro de cerca de £ 90 milhões (R$ 622 mi) à frente da próxima janela de transferências, com acesso a outros £ 150 milhões (R$ 1 bi).

"Estamos ansiosos para que a equipe retorne com segurança ao campo e aproveite o excitante momento que Ole e os jogadores alcançaram anteriormente, enquanto tomamos todas as medidas necessárias para proteger a saúde pública", acrescentou Woodward.

"Nossos pensamentos permanecem com todos os afetados durante este período sem precedentes.”