<
>

Atlético-MG campeão da Libertadores teve apenas um jogador que saiu para Europa; por onde andam atletas do título

Há quase sete anos, em 24 de julho de 2013, o Atlético-MG conquistava a Libertadores pela primeira vez em sua história. O elenco comandado por Cuca era o chamado “cascudo”, isso é, jogadores experientes com muitas competições importantes disputadas no currículo.

Ronaldinho Gaúcho era o ápice dessa qualificação, sendo melhor do mundo e campeão de torneios como Champions League e Copa do Mundo. Além dele, Jô, Josué e Diego Tardelli eram outros nomes que voltavam do futebol europeu. Ídolo, Gilberto Silva era reserva mas tinha também seu papel de liderança, tendo feito o último ano de sua carreira justamente naquela temporada.

Victor, Rever, Richarlyson e Pierre também são nomes que já tinham jogado por outros grandes clubes e sabiam conviver com a pressão, mesmo sem ter o título do torneio continental antes de 2013.

Talvez por essa razão, o Atlético-MG só “exportou” um jogador para a Europa após esse ano vencedor. Bernard partiu para a Ucrânia e hoje defende o Everton, mas já avisou que quer voltar para vestir as cores do alvinegro de Minas Gerais.

Confira onde estão os principais nomes daquela conquista:

Aposentados

Gilberto Silva, Josué, Pierre, Junior Cesar, Leonardo Silva, Rosinei e Ronaldinho já não jogam mais profissionalmente. O caso mais triste é de Ronaldinho, que está preso em um hotel no Paraguai por conta de usar passaportes falsos no país sul-americano.

Na ativa (mas sem brilho)

Victor (Atlético-MG), Michel Macedo (Corinthians), Marcos Rocha (Palmeiras), Rever (Atlético-MG), Richarlyson (Noroeste) e Diego Tardelli (Atlético-MG) seguem atuando, mas nenhum deles é titular absoluto neste momento. Marcos Rocha é quem teve mais minutos nessa temporada de 2020. O meia Guilherme, reserva naquele time de Cuca, está sem clube.

Fora do país

Como já falamos acima, Bernard é o único jogador daquele time na Europa. Jô está no Japão, mas é especulado seu retorno ao Corinthians. Luan, ídolo da torcida do Atlético-MG e peça importante mesmo sem ser titular daquele time, também partiu para o futebol japonês ao final de 2019.