<
>

No Chelsea, Jorginho comenta os lados bom e ruim de superar expectativas na atual temporda

“Quando começou, a gente acabou fazendo mais que se esperava. Só que fizemos muito rápido! E aí a expectativa foi lá em cima pra gente manter aquilo que, sinceramente, não era o que estávamos prontos pra fazer.”

O bom resumo da temporada do Chelsea vem de um dos jogadores que se firmou nesta temporada como uma liderança na equipe. Jorginho é sempre crítico, e por isso não é raro vê-lo claramente chateado ou irritado depois de uma exibição ruim do time. Os últimos meses foram de mudanças no clube: saída de Maurizio Sarri, chegada de Frank Lampard que promoveu jovens, trouxe um novo estilo de jogo e outra filosofia:

“Mudança de tantos jogadores, mudança de treinador. Não vou nem mais falar da questão de jovens, que tem muitos jogadores jovens nesse ano. Mas é normal, se você parar pra avaliar nosso elenco, nosso time, é normal que cometa esses erros. E é normal que a gente tenha que crescer, aprender com isso pra diminuir os erros e estar lá em cima.”

O Chelsea se mantém dentro do grupo dos quatro primeiros colocados desde a nona rodada da Premier League - muitas vezes ajudado por tropeços dos concorrentes pelo G-4. Apesar das 21 rodadas seguidas segurando uma das vagas para a próxima Champions League, a instabilidade acompanhou os Blues em toda esta trajetória. Apesar de fazer muitos gols, o time desperdiçava oportunidades com freqüência, e o artilheiro Tammy Abraham, que aos 22 anos faz sua primeira temporada como titular do Chelsea, fez apenas dois gols nos últimos 11 jogos. Defensivamente, foram só nove partidas sem ser vazado na temporada, e os 39 gols sofridos em 29 rodadas da Premier League é o segundo pior do top 10.

“Às vezes, sinceramente, falta um pouco de experiência de grupo, de entender os momento de jogo, sabe? Às vezes voce não pode atacar, atacar, atacar. Às vezes você tem que segurar um pouco o jogo. Então querendo ou não, acredito que também é uma questão de tempo para poder crescer.“

Apesar das falhas, o torcedor do Chelsea no geral entende que tudo é parte de um processo de mudanças, e olha de coração aberto para a equipe comandado por um dos maiores ídolos da história do clube. Frank Lampard tem crédito, e ajudou a tirar a desconfiança dos fãs com Jorginho. Criticado na temporada passada, visto como “jogador do Sarri”, hoje tem o nome cantado em praticamente todos os jogos em casa.

“Isso tem muito mérito do Lampard, pela importância que ele tem no clube. E da maneira que ele falou de mim como pessoa e como jogador no começo da temporada. Aí começou a mudar a visão e o pensamento de quem me criticava. Porque, na minha opinião, me criticava sem fundamentos, sinceramente. Os números diziam completamente o contrário do que era falado, de como me olhavam. Então eu tenho muito o que agradecer a esse treinador. E graças ao meu trabalho e as palavras dele porque também não é fácil um treinador colocar a cara e falar de um jogador que a torcida, entre aspas, não gosta.”

As mudanças em campo também impactaram o futebol de Jorginho: “Mudou o estilo de jogar. É um futebol mais direto. Um futebol com um pouco menos de posse de bola, digamos. Só que mais direto, pro ataque. Isso faz com que na minha posição eu esteja mais descoberto, eu tenha um pouco mais de espaço de campo pra cobrir, tendo que correr um pouco mais junto com o Kanté! E com o Kovacic, e com os outros meios de campo.”

Jorginho ri ao falar sobre um dos jogadores mais rápidos do time, Kanté, visto por muitos como concorrente direto pela vaga. Com Sarri, Kanté passou a atuar mais avançado, pelo lado direito do campo, o Lampard manteve o jogador nesta posição. As variações do meio de campo costumam render boas discussões, já que Kovacic também faz ótima temporada. Kanté ainda foi prejudicado neste ano por lesões - jogou somente 22 das 42 partidas.

“Sinceramente, a gente é bem tranqüilo sobre isso, sobre quem é titular e quem não é. Porque o treinador às vezes faz algumas escolhas que a gente não espera. E não tem como nós jogadores acharmos, “ah, eu sou o titular, aquele não é o titular”. E acredito que é certo da parte dele também estas surpresas pra que todo mundo esteja preparado pra qualquer momento.”

Depois da saída de Eden Hazard, o time ficou sem uma referência deste tamanho. Escolher quem é o principal jogador do Chelsea hoje em dia pode ser uma tarefa complicada.

“Acaba tendo o lado bom e o lado ruim também. Não tendo essa responsabilidade em cima de um jogador só, isso acaba caindo em cima de todos os jogadores. E no meu modo de ver, isso é bom porque acaba responsabilizando todos nós pelo que está acontecendo. Muitas vezes, quando tem um só, o mérito vai todo pra ele, e a culpa também. Futebol, no fim, é um trabalho de equipe.”

Em compasso de espera quanto a definição sobre a volta do futebol na Inglaterra, os jogadores seguem trabalhando de casa. O Chelsea envia programas de treinamento semanais para os atletas, com a descrição por escrito e vídeos dos exercícios. “Só não faz quem não quer”, brinca Jorginho. Se, e quando a temporada voltar, o Chelsea tentará dar continuidade ao seu processo de crescimento, que demanda paciência e, principalmente, tempo. Jorginho foi perguntado quando ele vê o time competindo novamente na prateleira de cima do futebol europeu:

“Ah, sinceramente? Eu acredito que leva no mínimo o ano que vem. Mas de repente eu estou aqui falando em dois anos, e chega no ano que vem o Chelsea está lá! É complicado, depende de como o time reage ao aprendizado, se a equipe tem a capacidade de absorver informações e aprender mais rápido do que outra.”