<
>

Ronaldinho Gaúcho deve passar aniversário de 40 anos preso no Paraguai

Ronaldinho Gaúcho vai completar 40 anos no próximo sábado reverenciado como um dos maiores jogadores da história, mas em uma situação completamente insólita: preso.

O pentacampeão mundial e duas vezes melhor do mundo está detido na Agrupación Especializada, presídio de segurança máxima em Assunção, desde 6 de março ao lado seu irmão Roberto Assis por ter entrado no Paraguai com cédula de identidade e passaporte falsos.

A defesa do ex-jogador de Grêmio, Paris Saint-Germain, Barcelona, Milan, Flamengo e Atlético-MG já teve três pedidos de apelação negados pela Justiça paraguaia (o que poderia transferi-lo para uma prisão domiciliar ou até mesmo determinar sua soltura) e com apenas quatro dias pela frente para que um “fato novo” aconteça a possibilidade é grande de que ele faça aniversário atrás das grades.

A ESPN apurou que os advogados do “Bruxo”, por enquanto, não entraram com nova revisão de medidas. Além disso, nesta terça-feira, começou a perícia dos cinco celulares de alguns dos detidos no caso (como os de, por exemplo, Assis e Wilmondes Sousa Lira, empresário que teria intermediado a confecção dos documentos adulterados).

A inspeção pode durar até 15 dias úteis - ou seja, três semanas corridas -, e a reportagem ouviu de fonte do Ministério Público do Paraguai que dificilmente haverá produção de novas provas ainda nesta semana.

Até mesmo se a empresária Dalia López, responsável por levar Ronaldinho ao Paraguai há duas semanas, finalmente aparecer para prestar depoimento perante um juiz nesta quarta, dificilmente o craque conseguiria ter liberdade, mesmo que provisória, para celebrar os 40 anos.

Dalia López está com ordem de detenção desde o dia 7 de março e tenta desde então não comparecer à audiência desta quarta – seus advogados dizem que problemas de saúde (como diabetes e hipertensão) além da pandemia de coronavírus deixam a empresária exposta.

A reportagem apurou que Ronaldinho Gaúcho não está entre os principais alvos da investigação que envolveria inclusive lavagem de dinheiro, mas por ter cometido o crime de entrar no Paraguai com documentos falsos seria uma questão de “soberania nacional” mantê-lo detido até que todo o processo continue – o que pode durar seis meses.

Assim, o jogador que levou magia aos gramados no século XXI pode passar o seu aniversário de 40 anos preso na capital paraguaia.