<
>

Luxemburgo dá preferência ao Vasco e brinca: 'Se não renovar, a gente fica em casa com os cachorros, papagaio, periquito'

play
Luxa diz que ficou 'aborrecido com árbitro' e fala sobre renovação de contrato com o Vasco (2:10)

Treinador também falou que existe a necessidade de ter um time mais forte para a próxima temporada (2:10)

Aliviado com uma vaga garantida na Copa Sul-Americana de 2020, o Vasco da Gama já começa a planejar a sua próxima temporada para evitar passar sufoco. O principal foco da diretoria cruzmaltina é a renovação com técnico Vanderlei Luxemburgo, que também tem interesse em continuar no Gigante da Colina.

Em entrevista nos bastidores do Troféu Mesa Redonda da TV Gazeta, Luxemburgo revelou dar preferência ao Vasco e, em tom bastante leve, comentou que só vai pensar em outras propostas caso não siga no clube carioca e pode até largar o futebol novamente.

“2019 foi um ano bom e eu voltei ao futebol. Eu comecei no futebol de auxiliar do Vasco da Gama, então ir para lá e fazer um trabalho de recuperação desse clube foi muito gostoso. Já para 2020, estamos negociando uma renovação de contrato. A preferência é toda do Vasco da Gama porque eu estou trabalhando lá. Se não renovar, aí a gente vai para o mercado ou fica em casa com os netos, cachorros, papagaio, periquito, fazer alguma coisa”, comentou em bom humor.

Anunciado no início da maio, Vanderlei chegou com a missão de espantar o risco de rebaixamento e, de quebra, conquistou uma vaga em uma competição continental. Suas falas de resgatar os tempos áureos do Vasco o fizeram criar grande identificação com o torcedor, que pede por sua continuidade.

O treinador, contudo, já deixou claro em diversos momentos ao presidente do clube, Alexandre Campello, que só se manterá no cargo caso os salários atrasados sejam cumpridos e pagos aos atletas e à comissão técnica. Estas questões podem ser um dos fatores que estão complicando o negócio.

“Minha renovação não está condicionada a nada que não seja o lado profissional de ambas as partes. Você coloca suas necessidades para a empresa e eles passam as necessidades deles e se discute as situações importantes. É um diálogo, é preciso aparar as arestas para se chegar em um denominador comum, para não se criar antagonismo”, finalizou.