<
>

Presidente do Boca dispara contra Riquelme após aliança com a oposição

play
Flamengo-19 x Boca-18: No 'Cara a Cara', comentaristas escolhem time ideal entre as duas equipes (4:18)

Comparação foi feita com o adversário do River Plate na final da Libertadores de 2018 com o de 2019 (4:18)

O presidente do Boca Juniors, Daniel Angelici, deixou claro nesta sexta-feira que rompeu relações com o ex-jogador Juan Román Riquelme, que integrará a chapa de oposição nas próximas eleições do clube, em polêmica que teve o envolvimento também de Diego Maradona, outro ídolo 'xeneize'.

"Não vou responder sobre o que vocês já sabem. O que, talvez, nem eu, nem vocês, se atrevam a dizer, especialmente pensando no torcedor do Boca. Talvez, quando as eleições acabarem, não tenha problema dizer. Vamos deixar o torcedor do Boca continuar a ter um ídolo", afirmou o mandatário, em entrevista coletiva.

Angelici evitou confirmar os rumores de que o rompimento com Riquelme acontece porque o ex-jogador pediu dinheiro para ser aliado nas eleições, mas admitiu desconforto por se encontrar com o irmão e agente de um dos camisas 10 mais badalados da história do Boca.

"A única coisa que poderia dizer a ele é que, quando alguém quer ser dirigente, tem que se sentar na mesa, discutir ideias, projetos, equipe de trabalho. Quando alguém manda o advogado ou representante, é para negociar um contrato", disse.

Riquelme será candidato a vice-presidente, na chapa encabeçada por Jorge Ameal. Eles enfrentarão Christian Gribaudo, que postula o cargo de mandatário, e Juan Carlos Crespi, que pleiteia ser vice, com o apoio de Angelici e da atual diretoria do Boca.

Pouco depois da coletiva do presidente do clube, Maradona, que como técnico da seleção argentina se desentendeu com o ex-meia, usou as redes sociais para se posicionar sobre o caso.

"Acho que o ídolo de um clube, como Riquelme, não pode escutar propostas e se vender à oferta mais alta. Jamais fiz isso. Os dólares não podem pesar mais que as convicções", disparou o técnico do Gimnasia La Plata.

Ontem, Ameal negou o ex-jogador tenha feito qualquer pedido por pagamento. Já Mario Pergolini, que ocuparia a vice-presidência na chapa de oposição, garantiu que Riquelme não receberá salário, assim como os outros dirigentes, em caso de vitória no pleito de 8 de dezembro.