<
>

Ele é fã de Luis Fabiano e já fugiu de briga de bar: quem é o grande herói das eliminatórias da Euro

Teemu Pukki é o grande herói da Finlândia, que conseguiu se classificar pela primeira vez na história para a Eurocopa, que será realizada em 2020. O jogador do Norwich anotou nove dos 15 gols de sua seleção eliminatórias, incluindo dois no jogo que deu a vaga ao torneio.

Fã de Luis Fabiano, ex-atacante do São Paulo, o finlandês já passou por alguns apuros quando foi visitar um amigo brasileiro na Bélgica.

Aos 29 anos, Pukki foi a grande sensação do começo da temporada na Inglaterra, quando chegou a ser artilheiro da Premier League por algumas rodadas.

Em 2008, o jogador era uma jovem promessa do Kotkan Työväen Palloilijat - o KTP -, clube da segunda divisão finlandesa. Talentoso, o menino de 18 anos foi comprado pelo Sevilla em dezembro do mesmo ano pelo valor de €180 mil (quase R$800 mil).

Na equipe espanhola, ele jogou ao lado dos brasileiros Adriano, Renato e Luis Fabiano, que era um dos maiores astros do time.

"Ele me disse que gostava muito do estilo do Luis Fabiano e ficava impressionado com a personalidade forte dele. É um cara muito fácil de se lidar e se dava bem com todos. Um dos melhores amigos dele era o Perrotti, da Roma. Nós conseguimos ver um Sevilla x Barcelona por causa disso", contou o zagueiro brasileiro Rafinha, que jogou com Pukkki no HJK Helsinki-FIN, ao ESPN.com.br.

Pukki teve um início promissor pelo time, mas logo o clima do país começou a se tornar um problema para o atleta, que chegou a pedir para sair por conta da dificuldade de adaptação.

"Era um adolescente e foi uma mudança muito grande para mim. Fui viver longe de casa muito jovem e o tempo em Sevilha era muito mais quente do que onde eu morava. Fazia muito calor e não havia ar condicionado no meu apartamento durante as primeiras semanas", explicou Pukki ao jornal britânico The Telegraph.

Os problemas enfrentados pela mudança para o país, no entanto, não impediram que o garoto chegasse a LaLiga, mesmo que em uma única oportunidade. Em janeiro de 2009, Pukki disputou pouco mais de 20 minutos em sua estreia na derrota para o Racing Santander por 2 a 0, na temporada 2008/2009.

Apenas um ano depois, ele acabou sendo negociado com o HJK Helsinki, da Finlândia, em 2010.

"Ele voltou a jogar conosco para ficar mais perto da família. Subiram outros jogadores da base e deu muito certo. Nós fomos campeões e disputamos torneios europeus. Ele jogou demais nos jogos contra o Schalke, foi impressionante. Ele fez dois gols em casa e um na Alemanha", disse Rafinha.

Dois dias depois ele foi contratado pelo Schalke, pelo qual estreou muito bem, mas não teve boa passagem. Na mesma semana, Rafinha também saiu da Finlândia para o Gent, da Bélgica. Quando atuava pela equipe belga, o brasileiro recebeu a visita de Pukki, que foi matar as saudades do amigo.

"Uma vez ele foi nos visitar na Bélgica e saímos para um bar junto com meus amigos de equipe. Daí, começou a rolar uma pancadaria e ele ficou assustado. Acho que não ele estava acostumado com isso. A gente saiu correndo do bar na hora com medo de sobrar para a gente", disse Rafinha.

Nos anos que se seguiram, teve passagens pelo escocês Celtic e o dinamarquês Brondby, onde permaneceu entre 2014 e 2018.

Em julho de 2018, com o fim de seu contrato na Dinamarca, o atacante chegou ao Norwich a custo zero para disputar a Championship. No último ano, foi o artilheiro do torneio com 29 gols e 10 assistências, números que contribuíram - e muito - para a promoção dos Canaries à Premier League.

Pela seleção, ele foi o grande nome nas eliminatórias. Os atletas fizeram festa no grupo e foram acompanhados por diversos torcedores que invadiram o campo. Na verdade, a comemoração foi além do estádio. Já no vestiário, teve até Pukki estourando champagne.

"Até na seleção ele faz muitos gols. Eu brinquei que estava um dia livre e nos encontramos em Helsinque. Eu disse que a fase dele estava muito boa".

Os finlandeses fecharão sua participação na segunda-feira, quando visitarão a Grécia às 16h45 (de Brasília).

"A gente chama ele de 'El Pukki'. Papai Noel em finlandês é 'joulu pukki'. Brincamos com ele sobre isso. Quando meus filhos me escutvam falar sobre ele me perguntavam se era sobre o Papai Noel ou do jogador (risos)".

Para os finlandeses, o presente de Natal veio mais cedo com Pukki.