<
>

Brasil repete semifinal, vira nos acréscimos contra o México e conquista o Mundial sub-17

Com gols de Kaio Jorge e Lázaro, o Brasil venceu o México por 2 a 1, de virada, e conquistou o Mundial sub-17 neste domingo, no Bezerrão, em Gama, no Distrito Federal. Os mexicanos abriram o placar no início da segunda etapa, mas Kaio Jorge, aos 38, e Lázaro, aos 48 do segundo tempo, viraram o jogo e deram o título para a seleção brasileira.

É a quarta vez que o Brasil conquista a competição, que já havia vencido em 1997, 1999 e 2003.

Com o vice-campeonato, o México continua com dois títulos mundiais da categoria.

CAMPANHAS

O Brasil chegou à final com 100% de aproveitamento após passar da primeira fase como líder do grupo A e vencer Chile, Itália e França nas oitavas, quartas e semifinal, respectivamente.

Já o México passou pela primeira fase apenas na 3ª posição do grupo F, com 4 pontos. Depois, venceu o Japão nas oitavas, a Coreia do Sul nas quartas e passou pela Holanda nos pênaltis na semifinal.

GOLS PERDIDOS

O Brasil começou melhor na partida, tomando a iniciativa e partindo para cima do México. Logo aos 13 minutos, Yan cruzou e a bola sobrou para Gabriel Veron, que chutou por cima do gol e perdeu grande chance de abrir o placar para o Brasil.

Três minutos depois, Kaio Jorge fez boa jogada e rolou para Peglow, que chutou forte de fora da área e acertou o travessão. Aos 22, mais uma boa chance para Veron, que driblou o zagueiro dentro da área e bateu forte, mas acertou a rede pelo lado de fora.

Na marca dos 28, o Brasil chegou à frente novamente, com jogada de Patryck pela esquerda que cruzou para Veron na entrada da área. O atacante chutou de primeira, mas o arremate saiu fraco e facilitou a defesa de Garcia.

A partir dos 30 minutos, o México conseguiu tocar mais a bola e equilibrar o jogo, mas sem criar lances de perigo. Objetivo, o Brasil chegou bastante ao ataque em jogadas verticais e aproveitando contra-ataques, mas não conseguiu concluir com qualidade.

No final da primeira etapa, Muñoz, do México, fez jogada individual pela esquerda e bateu de fora da área, mas a bola subiu demais.

MÉXICO SAI NA FRENTE

O segundo tempo começou com o Brasil novamente partindo para cima do México para tentar abrir o placar, e a primeira chance da etapa final caiu nos pés de Kaio Jorge, que recebeu cruzamento de Peglow e chutou de primeira, mas por cima do gol de Garcia. Aos 10 minutos, Matheus Araújo entrou no lugar de Pedro Lucas.

Aos 13 minutos, Patryck arriscou de fora da área e obrigou Garcia a espalmar para evitar o gol brasileiro. Logo depois, Peglow recebeu na área, dominou e bateu com força, novamente na rede pelo lado de fora.

Aos 20 minutos, no entanto, foi o México quem abriu o placar. Pizzuto cruzou pela esquerda, González subiu no meio de dois zagueiros e cabeceou para o gol.

VIRADA BRASILEIRA

Em resposta ao gol sofrido, a seleção brasileira tentou o empate logo em seguida, principalmente com bolas aéreas, mas parou na alta defesa mexicana. Aos 25, Peglow saiu para a entrada de Lázaro, herói da virada contra a França. Logo após a entrada, o atacante recebeu e arriscou de fora da área, mas chutou por cima do gol.

O Brasil teve outra grande chance aos 36 minutos, quando Lázaro recebeu de Veron e foi travado. No rebote, Daniel Cabral bateu de fora da área e acertou o travessão. Na sequência, após revisão junto ao VAR, o árbitro marcou pênalti em Gabriel Veron. Kaio Jorge cobrou no cantinho e empatou para os brasileiros.

Empolgado com o empate, o Brasil pressionou para tentar a virada. Aos 40 minutos, Yan cruzou e, depois de desvio da defesa, Kaio Jorge dividiu com o goleiro e ficou pedindo pênalti, mas a arbitragem não marcou. Dois minutos depois foi a vez de Lázaro chutar para nova defesa do goleiro Garcia.

Já nos acréscimos, Yan cruzou da direita e Lázaro bateu de primeira, sem deixar a bola cair, para virar o jogo para o Brasil. O jovem do Flamengo já havia sido o heroi da vitória contra a França, na semifinal.

Aos 50 minutos, o México perdeu grande chance de empatar com González, mas ele cabeceou para fora.