<
>

Há menos de 20 anos clube 'mais brasileiro' da Espanha superava Real e Barcelona; hoje, endividado, ruma à terceira divisão

play
Djalminha 'quase morreu' sufocado na comemoração do título espanhol do La Coruña: 'Foi inacreditável!' (1:26)

'Imagina 15 pessoas em cima de você. Quando em largaram, eu saí correndo para o vestiário', contou o ex-jogador no Resenha ESPN. (1:26)

1999-2000. O Deportivo La Coruña, de Mauro Silva, Donato, Flávio Conceição e Djalminha, surpreende e conquista o Campeonato Espanhol de forma inédita. Era apenas a nona equipe diferente a ficar com o título no país historicamente dominado por Real Madrid e Barcelona.

Poderia parecer o começo do estabelecimento de um novo grande do futebol local e, quem sabe, até do futebol europeu. Afinal, quatro temporadas depois, o clube alcançaria a semifinal da Champions League, conseguindo uma virada impressionante nas quartas diante do Milan, que defendia o título – perdeu por 4 a 1 na ida e triunfou por 4 a 0 na volta.

Quinze anos depois, a situação é completamente diferente.

Em 2017-18, os galegos caíram à segunda divisão pela segunda vez em cinco anos. Na temporada passada, o Deportivo esteve muito perto de retornar à elite ao terminar na sexta colocação, ganhar a semifinal dos playoffs do acesso contra o Málaga e fazer 2 a 0 sobre o Mallorca no jogo de ida da decisão. No entanto, perdeu a volta por 3 a 0 e ficou na segunda divisão.

Agora, está caminhando para ir à terceira.

Depois de 15 rodadas, o time venceu apenas um jogo e está na lanterna da competição com dez pontos, quatro a menos do que o Tenerife, que hoje é o primeiro fora da zona de rebaixamento. São oito treinadores nos últimos três anos. O atual, Luis César Sampedro, está há cinco jogos: três derrotas e dois empates. O anterior, Juan Antonio Anquela, chegou para a atual temporada e caiu depois de apenas dez rodadas.

A má fase, aliás, não é só dentro de campo. De acordo com o jornal El País, em matéria de outubro, o clube deve 80 milhões de euros e teve de reduzir seu teto salarial em 4,8 milhões de euros.

De acordo com o jornal La Voz de Galícia, em texto desta terça-feira, a situação do clube é "agonizante". A publicação aponta que o presidente Paco Zas submeterá ao juízo dos proprietários as contas que apresentam uma dívida de 88,8 milhões de euros, sendo que 10,5 milhões de euros devem ser pagos antes de 30 de junho de 2020.

Em duas décadas, o Deportivo foi do topo da Espanha ao fundo do poço.