<
>

Neymar é o primeiro brasileiro que nem tentou aprender francês, critica campeão mundial em 1998

Após a derrota do Paris Saint-Germain em casa por 2 a 0 para o Stade de Reims, pelo Campeonato Francês, ex-zagueiro francês Frank Leboeuf, campeão da Copa do Mundo de 1998 com sua seleção, criticou Neymar e Di María, atacantes do PSG, por não falarem a língua francesa.

Nesta quarta-feira, à ESPN, o ex-atleta disse que entende como desrespeito o fato de que os dois atletas nem mesmo tentem falar a língua do país em que jogam. Neymar está no PSG desde 2017, enquanto Di María joga na França desde 2015.

Perguntado se era importante o fato de Neymar não falar francês, o campeão mundial respondeu: “Sim, me incomoda. Eu me lembro de quem vim para a Inglaterra, que meu capitão, Dennis Wise dizia que, na Inglaterra, em um vestiário inglês, se deve falar inglês. Nós tínhamos muitos italianos, que começaram a conversar em italiano, e ele disse: ‘Parem’”.

Para Leboeuf, Neymar falar francês seria uma demonstração de respeito com as pessoas que conheceu na França e com o próprio país europeu. “É questão de respeitar o país, as pessoas que você conhece. Você está no país delas, você tem que aceitar e aprender a falar em outra língua”, explicou.

Além disso, Leboeuf estranhou a forma que o camisa 10 brasileiro trata a língua francesa. “Acho estranho porque a maioria dos brasileiros que jogaram no Paris Saint-Germain começaram a falar francês em dois ou três meses, como Raí, Valdo e alguns outros, e Neymar é o primeiro cara a nem mesmo tentar”, criticou.

Apesar das críticas a Neymar, o argentino Di María não foi poupado de críticas. “Mas o Di María também. Ele está há 5 anos na França e você pode fazer uma pergunta a ele em francês, mas ele responde em espanhol”, revelou o ex-jogador francês.

Por fim, Leboeuf repetiu que entende como desrespeito o fato dos jogadores não falarem a língua do país em que atuam. “Acho que é anormal, é um pequeno escândalo, é desrespeitoso de assistir para os cidadãos franceses e à língua francesa”, concluiu.