<
>

Racha público e até brasileiro: por que clube espanhol demitiu técnico que levou time à Champions

Mesmo tendo levado o Valencia na última temporada ao título da Copa do Rei sobre o Barcelona, às semifinais da Europa League e a conquistar uma vaga na Champions League, o treinador Marcelino García Toral foi demitido.

A saída aparentemente sem sentido, na quarta-feira, nada teve a ver com o que o técnico fez em campo. O dono da equipe, Peter Lim, se cansou do comandante e de alguns "desrespeitos públicos" que ele teria cometido durante o último mês.

Segundo o jornal Marca, a situação foi "inevitável" para o proprietário. Ele se sentiu traído após ter bancado o técnico no cargo há cerca de um ano, quando os resultados não eram bons.

Lim tomou a decisão final há algumas semanas, tendo falado com Albert Celades, novo técnico do Valencia, há 15 dias.

Os principais jogadores do grupo haviam pedido que o técnico que não deixasse o clube, segundo o AS. O apelo foi feito durante o voo que trouxe a equipe de volta de Lisboa, onde venceu o Sporting em um amistoso, no final de julho.

Torral não gostou que o Valencia não contratou o brasileiro Rafinha, ex-Barcelona, que foi para o Celta de Vigo.

"O clube me informou que Rafinha não virá, o time fica um pouco aquém", disse.

Segundo o diário Sport, Lim quer que o clube aposte no jovem coreano Kangin Lee. Marcelino confiava no jogador, mas entendia que aos 18 anos ele não está preparado para jogar em LaLiga e na Champions League, sugerindo um empréstimo do atleta para que tenha mais experiência em campo.

A crise no clube espanhol é grande, com o diretor esportivo Mateo Alemany também entrando em rota de colisão com Lim.

Quando o atacante brasileiro naturalizado espanhol Rodrigo estava negociando com o Atlético de Madrid, o técnico mostrou insatisfação: "Se Rodrigo sair, o objetivo terá que ser mudado."

O treinador também criticou o baixo investimento da equipe na janela de transferências, enquanto Sevilla e Betis foram agressivos no mercado.

Esse acúmulo de frases do treinador em diferentes entrevistas coletivas atingiu o coração do proprietário, que considerou uma clara falta de respeito.