<
>

Brasil x Peru: Apontado como culpado por derrota, estádio de LA teve reforma de mais de R$ 1,2 bilhão finalizada há um mês

play
Tite vê situação do campo como 'inconcebível', mas diz que derrota não tem justificativa: 'Tem que matar no peito e ser grande' (0:59)

Seleção perdeu para o Peru por 1 a 0 em Los Angeles (0:59)

O Brasil perdeu para o Peru por 1 a 0 em amistoso disputado no no Memorial Coliseum, em Los Angeles (EUA).

O estádio se prepara para receber as Olimpíadas de 2028, mas, segundo jogadores da seleção, seu gramado teve culpa no revés do time de Tite.

O treinador, inclusive, foi um dos que mais reclamou sobre a situação: "É inconvebível, não pode acontecer. Não pode ter um campo nessas condições. Daqui a pouco, tu vai bater um escanteio, vai ter um contato físico porque não tem espaço. As pessoas responsáveis, a empresa responsável, está errada."

Marquinhos, zagueiro da seleção, falou sobre: "O campo não ajudou muito. A bola estava quicando bastante, a gente sabia que ia ser jogo para uma bola", disse Marquinhos.

Fagner, também titular, completou: "O gramado estava um pouco duro, ralo demais, deixava a bola um pouco viva. Não conseguíamos dar um toque só, mas mesmo assim a gente criou bastante chances de gol".

O gramado, baleado, estava com marcações de futebol americano por ser a casa da USC - Universidade do Sul da Califórnia.

Na última quinta-feira, o mesmo campo recebeu amistoso entre Argentina e Chile, e no sábado foi palco para um clássico no Futebol Americano universitário: USC x Stanford.

Entretanto, era de se esperar maior estrutura no estádio, tendo em vista que, há menos de um mês, teve fim uma reforma de $315 milhões (R$ 1,285 bilhão) no Coliseum.

As obras diminuíram a capacidade do estádio de 93 mil para 77.500 torcedores. Todos os assentos foram trocados e 650 telas de vídeo foram colocadas no estádio.

Além disso, questões de infraestrutura, como iluminação, Wi-Fi, sistemas elétricos e de encanamento foram renovados.

As características colunas que marcam o estádio como um "coliseu" também foram restauradas.

"Vamos receber o mundo em 2028 para as Olimpíadas ... Acreditamos que o Coliseu renovado será a peça central do renascimento do Parque", disse Steve Lopes, CEO do Departamento de Atletismo da USC, após a reforma, encerrada em 15 de agosto.

O estádio, construído em 1923, já recebeu duas Olimpíadas, dois Super Bowls, uma World Series de Beisebol e muitos outros eventos gigantes. Sua última reforma havia sido em 1999.