<
>

Ex-agente diz que foi dispensado por WhatsApp e penhora 30% do salário de Raniel, do São Paulo, na Justiça

A Justiça determinou que o atacante Raniel, do São Paulo, tenha 30% de seu salário penhorado até que seja quitada uma dívida de R$ 1.597.837,78 que o atleta tem com a empresa que agenciava sua carreira.

No processo, ao qual a ESPN teve acesso, a Dut's Marketing Esportivo Ltda, comandada pelo empresário Carlos Eduardo Maluf, relata que assinou contrato com Raniel em 4 de setembro de 2015, quando ele ainda era do Santa Cruz, e em seguida "iniciou os trabalhos de rescisão" de contrato do jogador com a equipe pernambucana, "o que culminou na sua transferência para o Cruzeiro".

"O executado não teve absolutamente nenhum gasto com contratação de advogado e viagens, eis que tudo era assessorado pela exequente, que inclusive fez empréstimos financeiros ao jogador, para que este pudesse saldar dívidas pessoais", informou a empresa.

A Dut's Marketing Esportivo Ltda, então, afirma que, com seu sucesso subsequente no Cruzeiro, Raniel "passou a ser badalado por diversos clubes, inclusive estrangeiros", o que levou as partes a abrirem conversas sobre a ampliação do vínculo de agenciamento, que venceria em setembro de 2017. Foi acordado verbalmente um novo contrato, até setembro de 2018.

No entanto, as coisas não saíram como o esperado.

"Para espanto e surpresa da exequente, que fez altos investimentos na carreira do atleta [...], o executado, no início do ano de 2017 (um ano e meio antes do final da vigência do contrato), manifestou, por meio do aplicativo WhatsApp, diretamente ao sócio da exequente, o desinteresse pela manutenção do contrato, e, por consequência, informou que a empresa-exequente não mais representava-o nas relações negociais que envolviam sua atuação profissional", reportou a Dut's Marketing Esportivo Ltda, no processo.

A empresa, então, afirma que recebeu mensagem de Carlito Monteiro, sócio da SM Soccer Assessoria Esportiva Ltda, manifestando que sua agência passaria a representar Raniel.

A Dut's Marketing Esportivo Ltda, por sua vez, notificou o atacante e a SM Soccer Assessoria Esportiva Ltda para que realizassem o pagamento da multa compensatória pela quebra de contrato, no valor de R$ 1 milhão, além dos reembolsos, no prazo de 48 horas.

Mais uma vez, todavia, as coisas não saíram como esperado.

"A notificação foi recebida pelo executado no dia 20 de janeiro de 2017, sendo que de lá para cá ele apenas enrolou a exequente com a promessa de que pagaria a multa e reembolsaria os empréstimos pessoais contraídos, bem como parte dos investimentos realizados", afirmou.

A Dut's Marketing Esportivo Ltda, então, entrou na Justiça e pediu o ressarcimento do valor, através da penhora do salário do centroavante.

Com juros e correção monetária, foi feito em maio o cálculo de que o montante seria de R$ 1.400.771,31.

"Considerando as altas remunerações que provavelmente o executado aufere mensalmente, a penhora de 30% de seus rendimentos não prejudicará seu sustento e de sua família", salientou a Dut's Marketing Esportivo Ltda.

Já em 9 de agosto, foi decidido pela juíza Sueli Garcia Saldanha, da 10ª Vara Cível da Comarca de Campo Grande-MS, que Raniel tenha 30% de seu salário penhorado e depositado em uma conta do TJ-MS (Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso do Sul) até que a dívida (recalculada para R$ 1.597.837,78) seja quitada.

O São Paulo, por sua vez, deve "providenciar depósito, em conta judicial vinculada ao Juízo Deprecante, dos valores constritos até o dia 10 do mês subsequente à penhora, renovando esses depósitos na mesma data dos meses seguintes até que seja alcançado o integral valor atualizado da dívida".

Foi dado ainda a Raniel e seus advogados o prazo de 15 dias para tentar impugnar a penhora dos salários.

O atacante teve 50% de seus direitos comprados pelo Tricolor por R$ 13,7 milhões.

OUTRO LADO

A ESPN procurou Raniel por meio de sua assessoria de imprensa, mas o atacante não quis se manifestar.

A reportagem também enviou e-mail aos advogados do atleta na última segunda-feira, mas não houve resposta até a publicação desta matéria. Caso seja enviado um posicionamento, o texto será atualizado.

Também procurado, o São Paulo informou que não recebeu qualquer notificação judicial sobre o assunto, e que só poderia se manifestar sobre o caso quando tiver total conhecimento dele.

Portanto, a equipe não irá se pronunciar no momento.