<
>

Libertadores: exército brasileiro joga com comandantes de história na competição

play
Qual o pior grupo da Libertadores? Comentaristas elegem adversários mais difíceis dos times brasileiros (7:02)

Clubes brasileiros estreiam amanhã na competição (7:02)

O sucesso recente de técnicos novatos no futebol brasileiro ficou refletido nos nomes que comandaram as equipes do país que disputaram a última edição da Copa Libertadores.

Fábio Carille - e depois Osmar Loss - disputou sua primeira Libertadores, à frente do Corinthians.

O Palmeiras começou a competição com Roger Machado, antes de apostar na experiência de Luiz Felipe Scolari.

Jair Ventura, embora credenciado pela grande participação com o Botafogo em 2017, esteve apenas em sua segunda edição do torneio em 2018, comandando o Santos, antes de ser demitido e acabar substituído por Cuca.

Com o Vasco, Zé Ricardo fez sua segunda Libertadores, depois de ter sido o técnico do Flamengo na edição de 2017 do torneio.

Por falar em Flamengo, o veterano Paulo César Carpegiani até foi o treinador nos dois primeiros compromissos da equipe na competição continental na temporada passada, mas seria Mauricio Barbieri, em seu primeiro trabalho como técnico principal, o responsável por comandar a equipe no restante da disputa.

Para a atual temporada, a situação é bem diferente. Mano Menezes, do Cruzeiro, já foi vice-campeão do torneio em 2007 com o Grêmio. Felipão, no Palmeiras, já levantou a taça em 1999 à frente do próprio time alviverde; Abel Braga, do Flamengo, ganhou em 2006 com o Internacional; Renato Gaúcho, do Grêmio, faturou a taça com os tricolores em 2017 e levou o Fluminense à final de 2008; Levir Culpi, do Atlético-MG, nunca faturou uma Libertadores, mas é um veterano na competição. O comandante de 66 anos, por exemplo, levou o Criciúma às quartas de final em 1992.

Dois oito brasileiros classificados, somente dois contam – ou contavam, no caso do São Paulo - com um treinador sem experiência na Libertadores. Os tricolores não conseguiram chegar à fase de grupos, caindo na segunda fase preliminar contra o Talleres, fato que foi determinante para a saída de André Jardine do cargo. Ele disputou a competição de forma inédita.

Já o Athletico Paranaense também conta com um treinador estreante na competição: Thiago Nunes. De qualquer forma, o técnico de 39 anos chega credenciado para o torneio continental, uma vez que ele comandou o time na conquista da última Copa Sul-Americana.

A fase de grupos da Libertadores começa nesta terça-feira e já terá dois brasileiros em ação. O Flamengo visitará o San José na Bolívia, às 19h15 (de Brasília), enquanto que o Athletico Paranaense jogará contra o Deportes Tolima, da Colômbia, também fora de casa, às 21h30.