<
>

Ex-Fluminense, Gerson conta como superou dificuldades e virou xodó de Ronaldinho

Hoje emprestado para a Fiorentina, Gerson é a venda mais cara da história do Fluminense. Após surgir como uma das principais promessas de Xerém e servir às seleções de base, ele foi comprado pela Roma por 16 milhões de euros (R$ 76 milhões na cotação atual).

Em entrevista exclusiva ao ESPN.com.br, o jovem de 21 anos que começou na escolinha do Flamengo antes de chegar ao clube tricolor e se tornou xodó de Ronaldinho Gaúcho recordou como foram suas origens e os problemas que enfrentou para vencer no futebol.

"Tive uma infância bem complicada. Meu pai se desdobrava, por vezes pegava dinheiro emprestado para me levar aos treinamentos. Mesmo sem ter muito, me dava todo o suporte. Minha mãe segurava as pontas em casa. Teve um momento em que meu pai teve que largar o emprego para me acompanhar. Foi difícil demais", contou o jogador.

A ideia de investir no filho talentoso estava certa. Com apenas quatro anos, Gerson chutou de pé esquerdo com muita força uma garrafa pet que estava no chão.

"A gente armazenava garrafas para deixar água que sempre faltava. Meu pai costuma contar que a partir dali já via talento em mim. Ele apostou muito e me deu tudo para me tornar um jogador profissional. Andava comigo para cima e pra baixo", relatou.

"Devo muito ao meu pai tudo que tenho hoje. Abdicou de muita coisa para que eu pudesse realizar o meu sonho. Andávamos um longo trajeto até o ponto de ônibus e pegávamos várias conduções. Sou grato por ter passado por tudo isso."

Marcos Silva, pai de Gerson, passou a treinar o filho em um campinho perto da casa onde a família morava. Depois, Gerson foi para uma escolinha do Flamengo, em Nova Iguaçu.

"Ele entrou para trabalhar na escolinha do Fla e me levou pra lá. Me destaquei e fui convidado para fazer um teste no futsal do Flamengo. Passei e consegui ficar lá um ano. Não tinha ajuda de custos, nem a passagem, e meu pai só conseguiu segurar durante um ano. Chegamos até a pedir o dinheiro da passagem para o Flamengo, que não quis bancar", contou.

O garoto saiu do clube da Gávea, mas logo em seguida foi para Xerém.

"Logo após minha saída do Flamengo, o Fluminense me procurou, topou em auxiliar com o dinheiro da passagem e pude escrever minha história no clube por 11 anos", agradeceu.

Chegada ao Flu

Gerson não demorou muito para virar umas das maiores promessas das categorias de base do clube tricolor. Com apenas 17 anos, ele atuou no Sul-Americano Sub-20.

“Defender a seleção brasileira é sempre um orgulho para qualquer jogador. Você estar entre os melhores da sua categoria e ao lado dos melhores, em um país com um número alto de grandes jogadores é sensacional e gratificante. Pude amadurecer muito e fazer também alguns amigos. Espero agora estar na seleção principal. Esse é o foco e o objetivo nesta temporada”, garantiu.

Depois de retornar do torneio de base, ele estreou na equipe principal do Fluminense cercado de expectativas.

"Subi em um momento em que, graças a Deus, pude ter o apoio e o carinho de muitos jogadores experientes como Fred, Gum, Diego Cavalieri, Conca, entre outros. Eles me ajudaram demais na minha subida tão cedo aos profissionais. Recebi o carinho e o respaldo desses caras e isso sem dúvida facilitou a minha adaptação nos profissionais", contou.

Fred foi um dos que mais ajudou o garoto neste começo. Inclusive, o camisa 9 elogiou bastante o meia que participou de todos os gols da vitória tricolor por 3 a 2 no clássico contra o Flamengo, no Brasileiro de 2016.

“Foram muitos momentos maravilhosos. Sou grato demais ao Fluminense por tudo que me deu. Foi o clube que me profissionalizou e, de certa forma, me moldou como homem. O Fluminense foi a base para eu estar hoje na Europa, por ter defendido a seleção brasileira e por ter tudo que tenho. Fui muito feliz e guardo um carinho enorme por todos no clube."

Além disso, Gerson rapidamente caiu nas graças de Ronaldinho Gaúcho, que teve rápida passagem pelas Laranjeiras, em 2015

"Foi um sonho realizado estar ao lado de um dos maiores do futebol mundial e um grande ídolo que tenho no mundo da bola. E foi um período que me fez evoluir demais. Ele sempre procurava me dar conselhos e me ajudar no dia a dia. Um cara fantástico que ficará marcado para sempre na minha carreira. Já tinha vencido tudo e chegou com uma humildade fora do comum. Me ensinou muito e sou muito grato a ele também", agradeceu.

Cobiçado por gigantes

Gerson foi especulado em clubes como Juventus, Manchester City e Chelsea. O Barcelona chegou até mesmo a ter a prioridade de compra do garoto, mas quem levou a melhor foi a Roma, que o contratou no meio de 2015.

"Pude contribuir dentro de campo por um tempo, inclusive ganhando a Primeira Liga, e dar retorno financeiro também ao clube. Sou grato demais ao Fluminense e a todos os profissionais que me auxiliaram”, contou.

Como tinha estourado a cota de jogadores extracomunitários, a equipe emprestou o jogador para o clube tricolor, que detinha 70% dos direitos econômicos do atleta (cerca de R$ 53 milhões), até o meio do ano seguinte.

“Consegui fazer um bom primeiro semestre e tive algumas propostas, entre elas da Roma. Quando um gigante da Europa, como é a Roma, se interessa pelo seu futebol, você não pensa duas vezes. Um grande clube, com grandes jogadores e disputando as melhores competições”, relatou.

O meia ajudou o Fluminense a conquistar a Primeira Liga de 2016 antes de embarcar para a Roma. Após duas temporadas na equipe giallorossa, ele foi emprestado para a Fiorentina em busca de mais espaço.

“Tudo isso me moldou como pessoa. Sou apegado aos meus familiares e meu sucesso hoje, devo a eles. Eu bem, minha família também estará. Tenho gratidão demais por eles e por todos que me ajudaram. Muitos só veem agora que estou aqui na Europa. Mas já passe muita dificuldade para chegar até aqui", contou.