<
>

Cobertor curto: São Paulo terá de colocar elenco à prova contra Ceará

play
Paraná x São Paulo: Eduardo Affonso traz informações sobre a lesão sofrida por Hudson (1:03)

Volante precisou deixar o gramado no intervalo da partida que acabou em 1 a 1 (1:03)

Araruna ou Luan? Quem sabe a improvisações de Bruno Peres ou até de Rodrigo Caio, este à disposição do São Paulo após quatro meses recuperando-se de uma fratura no pé esquerdo.

Opções, o técnico Diego Aguirre tem. Mas a possível ausência do volante Hudson no confronto com o Ceará no próximo domingo, no Morumbi, pela 21ª rodada do Campeonato Brasileiro, expõe aquele que talvez seja o maior desafio do time na briga pelo título. É a ausência de um jogador que possa substituir à altura um setor chave na equipe.

Hudson será avaliado nesta quinta-feira, assim que o time chegar ao centro de treinamento da Barra Funda, para saber a gravidade das dores que sentiu no joelho direito durante o empate com o Paraná por 1 a 1, em Curitiba, na quarta.

Ele reclamou do problema pouco depois do início do jogo após fazer um movimento mais brusco. Ficou até o fim do primeiro tempo, mas foi substituído na volta do intervalo sem condições de jogo. O São Paulo informou ainda na noite de quarta que tratava-se de uma hiperextensão. Não sabia dizer se ele poderá jogar tão logo.

Hudson é peça importante nos jogos do São Paulo. É o "cão de guarda" do time. Lidera em desarmes (59) e em faltas cometidas (34). É o segundo em passes dados (477), além de ser o quinto com mais ações de bola --dado utilizado pelo TruMedia, a ferramenta de estatísticas da ESPN, para averiguar a participação do jogador no jogo.

Se o volante não puder atuar, seu substituto natural seria Liziero, que inclusive entrou na vaga de Hudson no último jogo, mas o garoto terá de cumprir suspensão automática por cartão amarelo. Ou seja, é desfalque certo.

Das opções da posição, Aguirre tem apenas Araruna e Luan. O primeiro não agradou tanto quando fez a função de volante. Foi melhor improvisado como lateral direito. O segundo foi vice-campeão da última edição da Copa São Paulo de futebol júnior e subiu para o time profissional há alguns meses. Tem 19 anos e fez dois jogos com Aguirre.

É difícil apontar um favorito, mas é possível que, se existir, seja Luan.

Usar um jogador improvisado no setor também não será uma novidade. Aguirre já fez isso. Escalou o lateral direito Bruno Peres como volante contra o Colón, da Argentina, na derrota por 1 a 0, no Morumbi.

Uma possibilidade seria Rodrigo Caio, que não joga desde 22 de abril, e no passado foi volante. Inclusive, o zagueiro foi relacionado para as duas últimas partidas. Só não teve a chance de entrar em campo.

"Liziero tomou o terceiro cartão e o Hudson talvez não possa jogar. São coisas que teremos que mudar obrigatoriamente. Temos esses dias para pensar e tomar as melhores decisões", disse Aguirre, sem dar pistas do que fará.