<
>

Neymar como Cruyff e Maradona, Philippe Coutinho igual Platini: os craques da Copa do Mundo que os brasileiros se parecem

"Ah, no meu tempo..."

Comparar jogadores do passado e do presente é uma das coisas que mais mexe com os torcedores: estilo de jogo, chute, dribles, posicionamento.

E se fosse possível ser mais racional nessas comparações?

Pois o FiveThirtyEight, parceiro estatístico da ESPN, compilou os números de 5.892 jogadores que atuaram em Copas do Mundo desde 1966 e criou um grande banco de dados.

Pode-se ver, por exemplo, o desempenho de um jogador da atual seleção brasileira e analisar quem nos últimos 52 anos teve números similares na principal competição do futebol.

O goleiro Alisson, pouco acionado na Rússia, está com estatísticas parecidas com as de Iker Casillas em 2010, quando a Espanha foi campeã mundial. Ambos somam apenas uma defesa por jogo na média e quase 18 passes por partida.

Fagner é definido pelo FiveThirtyEight como um "atleta de utilidade" e tem números similares aos de Jan Wouters, titular da Holanda... como volante.

Thiago Silva, que faz uma Copa do Mundo impressionante, está tendo atuações como as de Juan (Brasil) e Carles Puyol (Espanha) em 2010 com médias de 1,5 desarme, 1,5 interceptação, 1,4 bloqueios e 5 rebatidas por jogo.

Miranda tem tido a consistência de Liviu Ciobotariu, zagueiro na Copa de 1998 que ajudou a Romênia a liderar o grupo G à frente da Inglaterra. Ele tem mais desarmes (1,9) e menos interceptações (1,1) do que seu companheiro no Brasil.

Marcelo está com números similares aos de Daniel Alves em 2014, enquanto Filipe Luis - mais defensivo - possui estatísticas de volantes como Raul Lara (México em 1998) e Aron Winter (Holanda de 1998).

Casemiro, um "defensor móvel", tem atuações de Arie Haan (Holanda, finalista de 1974) e Mauro Silva, tetracampeão em 1994. O volante do Real tem 3,3 desarmes, 1,8 interceptações, 2,8 rebatidas e 57,3 passes por jogo.

"Fazedor de gol", Paulinho lembra os números de Felix Magath, uma das principais peças da Alemanha Ocidental finalista de 1982.

Já Philippe Coutinho está no mesmo patamar de Thomas Muller (Alemanha de 2010) e Michel Platini (França em 1986), encantando com dribles (6 por jogo) e com média de 0,5 gol por partida.

No ataque, Willian emula Luis Figo em 2006 e Roberto Donadoni de 1990 com a definição de "criador dinâmico", sendo parado com quase 3 faltas por jogo enquanto busca os dribles (6 na média por partida).

Gabriel Jesus, ainda zerado nesta Copa do Mundo, aparece como "atacante criativo", similiar a Ibrahimovic em 2006 e Rainer Bonhof, campeão mundial pela Alemanha Ocidental em 1974.

Neymar, enquanto isso, não tem do que reclamar: sua Copa do Mundo é parecida com as de Johan Cruyff em 1974 e Diego Maradona em 1986 - o holandês foi vice com a Laranja Mecânica e o argentino ganhou o título, mas ambos tiveram atuações memoráveis.

O craque brasileiro recebe quase 6 faltas, consegue 7,5 dribles e participa de 15,5 jogadas no ataque na média por jogo.