<
>

Copa do Mundo: Musa ultrapassa Messi, CR7 e Eto'o após marcar dois contra Islândia

Se a vitória da Nigéria tivesse um nome, se chamaria Ahmed Musa. O atacante marcou os dois gols do jogo, o segundo deles um verdadeiro golaço e, de quebra, se tornou o nigeriano que mais vezes balançou as redes em Copas do Mundo.

Além disso, Musa é agora o terceiro atleta africano com mais tentos (4) em Mundiais, superando ninguém menos que Samuel Eto’o, de Camarões, que tem 3. Completam a lista o também camaronês Roger Milla (5) e o ganês Asamoah Gyan (6).

E quem se lembra bem da Copa do Mundo de 2014, sabe que essa não é a primeira vez que o atacante marca mais de um gol na mesma partida: foi justamente há quatro anos, na derrota por 3 a 2 para a Argentina. A diferença é que, dessa vez, até os próprios argentinos comemoraram.

Quer mais? Musa marcou os últimos quatro tentos nigerianos em Mundiais e tornou-se o único jogador de seu país a balançar as redes em duas edições diferentes do torneio.

Finalmente, pelo menos em um critério o atacante de 25 anos pode se gabar de superar “apenas” Messi e Cristiano Ronaldo: jogos com mais de um gol em Copas - os craques de Barcelona e Real Madrid só conseguiram o feito uma vez cada um enquanto ele, duas.

Agora, a Nigéria terá pela frente justamente Messi na partida que pode decidir quem avança às oitavas de final com a segunda vaga do grupo D.

Entretanto, nem tudo foi felicidade para Musa desde a última Copa do Mundo.

QUATRO ANOS DIFÍCEIS

Quando, em 2015, Ahmed Musa herdou a braçadeira de capitão de Vincent Enyeama, parecia que ele seria o próximo comandante da Nigéria.

Mas com problemas pessoais, pouco tempo depois a faixa foi passada para Mikel Obi. E as coisas ainda pioraram quando ele trocou o CSKA Moscou pelo Leicester.

Na Inglaterra, muitas vezes Musa não ficou nem no banco de reservas durante as partidas. O mal desempenho refletiu na seleção, onde perdeu seu espaço para Moses e Iwobi.

Foi então que conseguiu voltar ao clube moscovita, dessa vez por empréstimo. Lá, reencontrou seu futebol e sua posição. Foram seis gols em 10 jogos atuando não como ponta, mas centralizado.

Sem precisar cruzar e podendo focar no que faz melhor - correr, driblar e finalizar -, Musa conseguiu recuperar seu espaço na seleção Nigeriana e, ainda mais após os dois gols contra a Islândia, se provou mais uma vez dentro de campo.