<
>

Empresário alega falta de pagamento e cobra Palmeiras na Justiça por Gabriel, hoje no Corinthians

O empresário Marcelo Robalinho acionou a Justiça, através de sua empresa Mamabru Participações Ltda., para cobrar uma dívida de R$ 30.822,19 do Palmeiras pelo empréstimo do volante Gabriel, que defendeu a equipe alviverde entre 2015 e 2016 e atualmente joga no Corinthians.

Na ação, que corre na 5ª Vara Cível de São Paulo e à qual a ESPN teve acesso, Robalinho alega que quando firmou o contrato de empréstimo de Gabriel entre o Monte Azul-SP, time que possuía seus direitos, e o "Verdão", ficou acordado que o clube palestrino pagaria parcelas mensais de 49.000,00.

O empresário, todavia, diz que os alviverdes pagaram somente R$ 45.984,50, retendo R$ 3.013,50 em sete pagamentos, o que alcançou a soma de R$ 21.094,50.

A Mamabru Participações Ltda. pede, portanto, que seja pago o valor corrigido com o índice de tabela do TJ-SP (Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo) e os juros do período, o que levaria a quantia para R$ 30.822,19.

No processo, o empresário ainda diz que tentou receber o montante diversas vezes, mas sem sucesso.

"Por diversas vezes, tentou-se receber o reembolso das referidas retenções efetuadas sobre as parcelas dois a oito, o que se buscou, inclusive ao tempo da transação das parcelas nove e dez pagas sub judice, todavia, restou infrutífero e sem sucesso no recebimento extrajudicial das mesmas", escreveu.

"Razão pela qual, diante da inércia e inadimplemento do Réu no reembolso dos referidos valores pagos a menor sobre as parcelas dois a oito do referido contrato de cessão temporária, apesar de expressa confissão neste sentido, à Autora não restou alternativa senão buscar a tutela jurisdicional para obter o respectivo reembolso das referidas retenções, diga-se feitas de forma indevida pelo Réu", completou.

Gabriel fez 59 partidas e marcou três gols pelo Palmeiras entre 2015 e 2016, ajudando o clube a sagrar-se campeão da Copa do Brasil de 2015 e do Campeonato Brasileiro de 2016.

Ao fim do Brasileirão, porém, não chegou a um acerto para permanecer no Palestra Itália e foi para o Corinthians, equipe que defende até hoje e pela qual foi bicampeão do Paulista (2017 e 2018) e mais uma vez campeão do Brasileiro (2017).

Procurado, o Palmeiras disse não comenta questões judiciais em andamento.