<
>

Único São Paulo x Palmeiras da história da Copa do Brasil marcou adeus de Felipão e 'início do fim' da era Parmalat no Palestra Itália

São Paulo e Palmeiras se enfrentam pela Copa do Brasil nesta quinta-feira (23), às 20h (de Brasília), no Morumbi


Nesta quinta-feira (23), São Paulo e Palmeiras se enfrentam pelo jogo de ida das oitava de final da Copa do Brasil, às 20h (de Brasília), no Morumbi.

Após a partida, o fã de esporte acompanha a melhor repercussão no Linha de Passe, com transmissão pela ESPN no Star+.

Essa será apenas o 2º Choque-Rei da história do torneio mata-mata nacional. E a ocasião anterior que os rivais se enfrentaram foi especialmente representativa para o Verdão, já que marcou o fim de duas famosas "eras".

Isso aconteceu entre os dias 24 e 27 de junho de 2000, quando São Paulo e Palmeiras duelaram pelas quartas de final da Copa do Brasil.

Relembre um pouco da história do jogo:

Como os times chegaram para a partida?

O ano de 2000 marcava a reta final da carreira do ídolo Raí no São Paulo.

Sob o comando do técnico Levir Culpi, o time do Morumbi chegou à semifinal do Torneio Rio-São Paulo, caindo só para o timaço do Vasco, e depois foi campeão do Paulistão, batendo o rival Santos em dois jogos emocionantes na grande decisão.

O Tricolor, aliás, chegou bastante embalado para os confrontos contra o Palmeiras na Copa do Brasil, já que o duelo de ida das quartas aconteceu menos de uma semana depois da conquista do Estadual.

Do lado alviverde, a temporada começou também de forma positiva. O Palestra foi campeão do Rio-São Paulo justamente em cima do Vasco, e com goleada (4 a 0), e foi até a semi do Paulista, sendo eliminado para o Santos, que seria vice-campeão.

O grande destaque do ano, porém, foi a grande campanha na Libertadores. O Palmeiras passou pelo Peñarol-URU nas oitavas, pelo Atlas-MEX nas quartas e depois eliminou o Corinthians pela 2ª vez seguida na competição sul-americana. Na final, porém, acabou perdendo nos pênaltis para o Boca Juniors-ARG.

O jogo de ida contra o São Paulo na Copa do Brasil veio justamente na "ressaca" do amargo vice, pois foi disputado somente três dias depois da tristeza contra o Boca. E havia também um clima de incerteza no ar, já que uma eliminação para o Tricolor poderia significar a saída de Luiz Felipe Scolari, técnico multicampeão que estava à frente da equipe desde 1997.

Como foram os jogos de ida e volta?

O primeiro jogo das quartas da Copa do Brasil de 2000 foi disputado num sábado à tarde, no Morumbi.

O São Paulo foi de Rogério Ceni; Beletti, Edmílson, Rogério Pinheiro e Fábio Aurélio; Maldonado, Fabiano, Vagner e Raí; Marcelinho Paraíba e França.

Já o Palmeiras jogou com Marcos; Neném, Argel, Roque Jr. e Júnior; Fernando, Galeano, Rogério e Alex; Euller e Alberto.

França abriu o placar para o Tricolor logo no começo do 1º tempo. Na etapa complementar, Alex empatou de pênalti, mas o "vovô" Raí deu a vitória aos mandantes aos 37 minutos.

A volta foi jogada em uma noite de terça-feira, desta vez no velho Palestra Itália.

Felipão armou o Palmeiras com Marcos; Rogério, Argel, Índio e Tiago Silva; Galeano, César Sampaio e Júnior; Euller, Basílio e Pena.

Levir, por sua vez, montou o São Paulo com Rogério Ceni; Pimentel, Edmílson, Rogério Pinheiro e Fábio Aurélio; Alexandre, Vagner, Edu e Raí; Marcelinho Paraíba e Sandro Hiroshi.

Vagner colocou o Tricolor na frente, com Rogério empatando pouco depois na etapa inicial. Na volta do intervalo, o "carrasco" Raí fez mais um, com Rogério igualando. Sandro Hiroshi deu números finais ao clássico e assegurou a classificação são-paulina na casa do adversário.

O que aconteceu no Palmeiras depois?

A eliminação na Copa do Brasil marcou o "início do fim" da "era Parmalat", com vários craques (César Sampaio, Alex, Roque Jr., Euller...) se despedindo no 2º semestre - o que marcou também o início dos tempos do "bom e barato" no Palestra.

E o que a torcida palmeirense mais temia de fato aconteceu: Luiz Felipe Scolari se despediu do Palmeiras dias depois e encerrou seu vitorioso ciclo. Na sequência, o Cruzeiro anunciou sua contratação.

Apesar da saída de Felipão, seu eterno auxiliar Flávio Teixeira, o Murtosa, seguiu no Palestra Itália para a disputa da Copa dos Campeões, extinto torneio que dava vaga na próxima edição da Libertadores.

Sob o comando de Murtosa, o Verdão surpreendeu e foi campeão em cima do forte Sport do técnico Emerson Leão, colocando mais uma taça nacional em sua galeria.

Mesmo com um elenco bastante modificado e sem tantas estrelas, o ano terminou em viés de alta para o Alviverde, agora sob a batuta do técnico Marco Aurélio.

No Brasileirão, o Palmeiras deu o troco no São Paulo e eliminou o rival nas oitavas, caindo na sequência para o São Caetano, que seria vice-campeão.

Já na Copa Mercosul, o Palestra alcançou a final contra o fortíssimo Vasco e levou a decisão para um 3º jogo. Após abrir 3 a 0 no 1º tempo, aconteceu a incrível virada para 4 a 3 do Cruzmaltino, puxada por Romário, e o Verdão terminou amargando o vice.

O que aconteceu no São Paulo depois?

Depois de eliminar o Palmeiras, o São Paulo tirou o Atlético-MG na semi da Copa do Brasil e alcançou a final contra o Cruzeiro, que acabou se tornando uma das mais famosas da história do torneio.

Após um empate por 0 a 0 na ida, no Morumbi, o Tricolor saiu na frente no Mineirão, mas levou uma duríssima virada nos minutos finais: Fábio Jr. marcou aos 35, e Geovanni fez o cruel tento da virada praticamente no último lance de jogo, em cobrança de falta.

Na sequência, o São Paulo jogou a Copa dos Campeões e caiu na semifinal para o Sport, que seria vice do Palmeiras.

A derrota por 3 a 1 para o Leão, no 2º jogo da semi, acabou sendo a última partida profissional de Raí, que pendurou as chuteiras depois disso.

E depois de um excelente começo de temporada, o ano terminou em baixa para a equipe de Levir Culpi.

Na Copa Mercosul, a equipe do Morumbi não fez boa campanha, sendo eliminada ainda na 1ª fase do torneio que viria a se tornar a Copa Sul-Americana anos depois.

Já no Brasileirão, o time até fez boa campanha na fase de classificação, mas foi eliminado logo nas oitavas pelo Palmeiras, no "troco" da Copa do Brasil. Com isso, Levir Culpi foi demitido, e Vadão assumiu para 2001.