<
>

Títulos de Champions League, tragédia histórica e retorno à primeira divisão: veja como ex-Cruzeiro aprendeu que o Nottingham Forest 'não é um clube normal'

Equipe inglesa viveu períodos gloriosos nos anos 1970, mas esteve nos últimos anos longe da Premier League


O Nottingham Forest está finalmente de volta à Premier League. A tradicionalíssima equipe inglesa venceu o Huddersfield Town por 1 a 0, no último domingo (29), e garantiu a última vaga de acesso ao Campeonato Inglês de 2022/23. Foram 23 anos de ausência na primeira divisão, competição que o time disputou pela última vez em 1998/99, mas acabou rebaixado na última colocação.

Apesar do longo período afastado da elite, o Nottingham Forest marcou época ao disputar com o Liverpool a hegemonia do futebol inglês e da Europa entre o fim dos anos 70 e o começo da década de 80.

“Os brasileiros mais jovens talvez não conheçam a história, mas é um time muito tradicional. No primeiro dia em que fui assinar contrato, eles me levaram para ver a sala de troféus, as fotos dos jogadores que passaram por lá e recebi um caderno com os feitos do clube. Você sente que não é um clube normal”, disse Léo Bonatini, que jogou na equipe inglesa na temporada 2018/19, ao ESPN.com.br.

E a história do Forest não é nada comum. Em 1977/78, o time terminou na terceira colocação da segunda divisão e subiu para a elite. Logo na estreia, a equipe treinada por Brian Clough venceu o Campeonato Inglês pela primeira e única vez. Nas duas temporadas seguintes, vieram os bicampeonatos da Copa da Europa (atual Uefa Champions League) em 79 e 80 e da Copa da Liga Inglesa.

Tragédia histórica

Na década de 80, o Nottingham Forest se manteve na elite inglesa, mas faturou apenas a Copa da Liga Inglesa outras duas vezes. No entanto, o clube ficou marcado pelo dia 15 de abril de 1989, quando ocorreu o desastre de Hillsborough, no qual 96 torcedores do Liverpool morreram esmagados e mais de 700 ficaram feridos na semifinal da Copa da Inglaterra, em Sheffield.

“Eles falam com muita tristeza disso e até evitam tocar no assunto. Não ficam muito à vontade sobre isso. Todo ano eles fazem uma homenagem na data. Foi a primeira vez que pude ver na Europa um estádio inteiro respeitando o minuto de silêncio. Mexe muito com os jogadores porque não vemos isso no Brasil”, confessou o ex-atacante do Cruzeiro.

Os torcedores foram culpados à época pelo relatório oficial do governo e pela mídia. No entanto, as investigações posteriores apontaram que a tragédia foi causada pela superlotação do estádio, que possuía péssimas condições de conservação e não cumpria as normas mínimas de segurança. Muitas pessoas morreram esmagadas no alambrado.

Além disso, foi constatado que os responsáveis pela segurança e os policiais foram culpados por abrirem um portão para entrada de mais dois mil torcedores mesmo com o estádio cheio.

A queda do Forest

O Nottingham Forest seguiu na elite até a primeira temporada da Premier League (1992/93), quando foi rebaixado e o treinador Brian Clough saiu do cargo após 17 anos. Em 1998, o time conseguiu retornar à primeira divisão, mas caiu no ano seguinte, terminando na lanterna.

Um dos piores momentos do clube veio em 2005, com a queda para a terceira divisão. O retorno à Championship só veio em 2008 e, desde então, o Forest até chegou a disputar os playoffs de acesso à elite algumas vezes, mas não conseguiu subir.

“Eles são orgulhosos de tudo o que passaram, mas não achei que seja um clube preso ao passado. A ambição deles é voltar a conquistar títulos no futuro”, disse Léo.

“Devo ter sido o primeiro brasileiro a jogar na história do clube, mas não sofria uma pressão extra por isso”, garantiu.

O tradicional City Ground, com capacidade para 30.600 torcedores, é onde o Nottingham Forest manda seus jogos. Além da estátua de Brian Clough, o estádio possui no túnel do vestiário e nos corredores várias referências ao time bicampeão europeu.

“Mesmo com as reformas que passaram ao longo dos anos, eles tentaram manter a cara antiga, com algumas colunas na arquibancada. A estrutura do clube é muito boa, com um CT ótimo, que possui vários campos até para as categorias de base”, contou.