<
>

Ex-Fortaleza vê Vojvoda 'com cara de Europa' e revela jeitão pouco conhecido que passa por gestão de grupo e postura firme: 'Cobrava'

Atualmente na Salernitana, Éderson falou sobre a relação com Juan Pablo Vojvoda e o tempo que passou com o treinador argentino no Fortaleza


Atualmente na Salernitana, Éderson viveu o auge no futebol brasileiro com a camisa do Fortaleza. O grande momento do volante com a camisa do Leão foi justamente a partir da chegada de Juan Pablo Vojvoda ao Pici.

Em entrevista ao ESPN.com.br, o jogador de 22 anos contou com detalhes a relação que possuía com o argentino e a forma com que o treinador tinha de gerir o grupo e motivar cada atleta a partir dos sonhos que cada um possuía na carreira. E o volante foi claro: o comandante tem 'a cara' da Europa.

“Ele é um cara que é bem tático, mas sabe que precisa dar liberdade para alguns jogadores. Consegue se adaptar bem a isso. Quando chegou, fazia muita coisa voltada a posicionamento de corpo, trabalhos táticos. Quando começamos a nos adaptar, ele começou a soltar. Cada um com sua individualidade, com responsabilidade. Quando eu tentava fazer algo e perdia a bola, ele falava: ‘O que está fazendo?’. Dava liberdade, mas quando errava, ele cobrava", começou por afirmar.

"Sabe gerir o grupo, dá oportunidades. Se adaptaria muito fácil (à Europa). Pode ser uma das vontades deles, ele costuma passar vídeos de clubes italianos, da Premier League, jogos da Champions League, Campeonato Alemão. Dando exemplo, tem jogadores que tem sonho de jogar lá. ‘Você quer jogar lá? Olha o que esse jogador faz nessa competição’. Acredito que daria muito certo. Torço para que sim”, completou.

"Vai ser difícil segurar ele"

No Fortaleza, Vojvoda conquistou o bicampeonato cearense, em 2021 e 2022, e a Copa do Nordeste, em 2022. Além disso, encantou o futebol brasileiro desbancando alguns gigantes e conquistando com o clube cearense a classificação inédita para a Conmebol Libertadores, terminando em 4º no Campeonato Brasileiro e indo direto para a fase de grupos.

Após a grande campanha em 2021, Vojvoda entrou na mira de grandes clubes do futebol brasileiro, como o Internacional. No entanto, pela cláusula contratual, renovou com o clube cearense. Para Éderson, por conta do grande trabalho feito, Vojvoda dificilmente ficará no Pici por muito mais tempo.

“Acho que tem um reconhecimento muito bom no Brasil. Claro, se fizesse um trabalho em um Corinthians, Atlético-MG, ele estaria sempre na mídia. Por mais que ele não esteja no eixo, ele é reconhecido porque ele fez um grande trabalho. Às vezes se fala muito de Corinthians, São Paulo, Atlético-MG pela história. No Fortaleza ele é tachado pelo trabalho, pelo que realmente fez e não por estar no Fortaleza. E o Fortaleza está subindo junto, sendo cada vez mais reconhecido pelo trabalho que está fazendo. Era reconhecido pela torcida, pelas festas, e agora está sendo pelo futebol."

"Não sei se o Fortaleza vai conseguir segurar ele por muito tempo lá. Ele me disse, até abriu para mim clubes que demonstraram interesse nele ano passado, mas me falou tudo, até disse que não sairia, que era uma proposta boa, não sei quantas vezes mais do que recebia, mas que não sairia porque queria se firmar. Queria frisar que era um bom técnico independente de vir de fora ou não. Quer subir e passar para o próximo nível junto com o Fortaleza. Quer continuar com isso. Se ele continuar demonstrando esse trabalho, vai ser difícil segurar ele. Vai ser um pouco difícil”, finalizou.


O Fortaleza volta a campo nesta quarta-feira (18) pela Libertadores. Jogando em Lima, no Peru, os comandados por Juan Pablo Vojvoda encaram o Alianza Lima, às 23h.