<
>

Tite vê Neymar mais maduro para a Copa e lembra quando craque defendeu novato na seleção: 'Deixa o moleque ir para dentro'

play
Tite lista o que pesa para convocação e cita seis exemplos de jogadores 'competindo' por vaga no ataque do Brasil na Copa (2:27)

Em entrevista exclusiva à ESPN, técnico da seleção brasileira exemplificou quem ainda na briga pelas 'últimas vagas' na lista final para a Copa do Mundo (2:27)

Para Tite, Neymar é um jogador diferente do último ciclo da seleção brasileira e é importante não somente em campo, mas também no ambiente


Como nos dois ciclos anteriores da seleção brasileira, Neymar é o principal jogador do Brasil para a Copa do Mundo de 2022, no Qatar, mesmo sem viver sua melhor temporada no Paris Saint-Germain e tendo de lidar com algumas lesões nos últimos anos.

Em entrevista exclusiva a João Castelo-Branco, repórter dos Canais Disney, o técnico Tite vê Neymar chegando com mais maturidade ao Mundial no final deste ano. O camisa 10 completou 30 anos de idade em fevereiro.

Mais maduro, com certeza. Só o tempo nos dá essa capacidade de evolução. Eu digo que o aprendizado é essencialmente prático. [Neymar] amadureceu, sim. Está num processo de retomada agora, depois da sua lesão, num processo evolutivo. Esse acompanhamento a gente faz de todos os atletas, incluindo ele também, para que nós estejamos, no momento da Copa do Mundo, na melhor condição”.

Tite também falou sobre a mudança na função tática que Neymar tem exercido no PSG e também na seleção brasileira, mais como um armador, jogando até centralizado na maior parte do tempo, do que como atacante aberto.

“A característica do jogo, eu digo assim, ele saiu de um atacante específico para ser um 'arco e flecha', para ser um armador, um articulador, ser um jogador que tem essa dupla função. Ele é tanto um finalizador, que cria a jogada para ele mesmo, ou um assistente. Ele evoluiu, ele cresceu. Ele saiu de um jogador de lado, de beira de campo no Barcelona, para uma faixa mais central”.

“Dentro da seleção brasileira ele tem uma liberdade criativa, em termos táticos. A ele dar esse suporte, essa situação, para que ele não seja o jogador que retroceda, mesmo para acompanhar espaço, para que ele esteja 'fresh' no momento ofensivo. Isso vai gerando nele. Ele é um jogador que particularmente gosta da assistência, gosta da participação, tem no convívio com o grupo, inclusive com os mais jovens, de deixar muito à vontade”.

O técnico do Brasil também compartilhou um momento em que Neymar defendeu Antony perante um companheiro de seleção após o atacante do Ajax tentar uma jogada individual durante uma partida.

“Por exemplo, nós jogamos um jogo importante e teve lances pessoais do Antony, e eu não sei que jogador da nossa equipe que chamou a atenção, 'toca mais a bola'. Ele [Neymar] olhou assim, 'não! Deixa o moleque ir para dentro, deixa fazer a finta para o lance pessoal', tipo um respaldo a essas situações que são aqueles detalhes que, por vezes, o grande público não conhece”.