<
>

BR6 | 'Surreal. Foram nosso sexto jogador', diz AsK sobre torcida da Team Liquid no Brasileirão 2021

play
Barcelona x Benfica: No videogame, Depay marcou gol antológico de calcanhar, e time de Xavi venceu em casa; VEJA (2:00)

Times se enfrentam na Champions League nesta terça-feira (23) | CLIQUE AQUI e assista ao melhor do futebol AO VIVO pela ESPN no Star+ (2:00)

Repleta de fãs gritando o nome de sua equipe favorita, a Max Arena recebeu neste sábado (04) a grande final do Brasileirão 2021 entre Team Liquid e Ninjas in Pyjamas; o evento marcou o retorno da torcida aos eventos de esports no Brasil


Com direito a volta de seus campeonatos presenciais e com a torcida vibrando a cada jogada, a grande final do Brasileirão 2021 de Rainbow Six Siege aconteceu neste sábado (04) entre Team Liquid e Ninjas in Pyjamas. As equipes receberam os fãs na Max Arena, no bairro da Mooca, em São Paulo, em uma série melhor de três onde a Team Liquid superou o favoritismo e encaixou um 3 a 1 em cima da adversária para levantar o troféu.

Para aqueles que acompanham o cenário brasileiro de Rainbow Six, já se é conhecida a rivalidade entre os Ninjas e a Cavalaria. Desde a chegada das organizações em 2018, Team Liquid e Ninjas in Pyjamas se consolidaram no panteão de melhores equipes brasileiras e frequentemente se encontram em partidas decisivas ou em playoffs de grandes campeonatos, sejam esses nacionais ou internacionais.

Gritos para cá, batecos para lá, narrações emocionantes para todos os lados e a torcida vibrando a cada round. Foi assim que se resumiu o sábado de final do Brasileirão 2021, onde a Team Liquid foi guiada pelos gritos de sua torcida à vitória sobre a NiP.

Anestesiado pela energia passada pelos fãs, em entrevista ao ESPN Esports Brasil, Gabriel “AsK” conta sobre a conquista em frente aos fãs.

“O Claudio trabalhou muito bem o nosso psicológico para essa partida. A gente sabia os picks e bans, o primeiro mapa a gente sabia [que ia ser difíci], a gente jogou para se divertir, eles são muito fortes no mapa. Tiramos alguns ataques ali, tivemos uma leitura boa mas o jogo começou mesmo na Oregon e pra mim tiveram dois show no evento de hoje: o show em si e a torcida da Liquid que deu um show a parte. Surreal o que eles fizeram hoje, foram nosso sexto jogador”, comenta.

Sendo considerada uma das grandes rivais da Team Liquid, que hoje é liderada pelo novato AsK, a grande decisão do principal campeonato nacional de Rainbow Six reproduziu a decisão do Six Invitational 2021, onde a Ninjas in Pyjamas desbancou a Cavalaria para levantar o troféu de campeã mundial pela primeira vez.

Em estreia do capitão e Pablo “resetz” nos palcos presenciais e na frente da grande torcida da Cavalaria, os jogadores que chegaram na equipe para substituir João “Muringa” e Thiago “xSexyCake” não se abalaram e mostraram um psicológico forte para reverter o favoritismo da adversária.

“Primeiramente a gente já sabia que a NiP era uma adversária forte, temos muito respeito por eles, são campeões mundiais, eu tenho o Psycho como referência de IGL pra mim é um dos melhores jogadores do mundo. A gente tem algumas palavras gatilho que quando falamos nosso cérebro consegue responder mais rápido do que a gente pedir calma no meio do round”, observa o capitão sobre como a equipe manteve a calma após o primeiro mapa.

Já classificada para o Six Invitational de 2022, com a vitória triunfante em cima de sua adversária, a Team Liquid fecha 2021 com chave de ouro ao conquistar seu primeiro título do ano.

Sobre alcançar o tão esperado título e o bicampeonato da organização no Brasileirão de Rainbow Six, último evento do ano, Ask revela que ainda é difícil entender a sensação: "Antes de eu e a criança [Resetz] entrar a Liquid tinha muita dificuldade de ganhar da NiP, tomou o 7 a 0 lá no Invitational... nossa, eu como torcedor da Liquid sofri vendo".

"Depois que mudou o elenco estamos 2 a 1 contra eles, então acho que não tem mais essa superioridade ainda mais aqui no Brasil que o nível é muito alto e o Top 4 tá mudando toda hora. Não sei, é difícil de descrever, mas é uma sensação única", continua.

Apesar da equipe não garantir a classificação para o Major da Suécia, o jogador acredita que na época não estavam preparados para representar o Brasil, mas com o título do BR6 já começa a mirar o mundial que acontece em fevereiro do próximo ano.

"Ficamos muito mal de não ter ido para o Major, mas o Six Invitational 2022 tá ai. Foi 'até bom' a gente não ter se classificado para o Major, a gente não estava preparado naquela época, essa é a real. Veio o trabalho do Rafa, do Claudio e fizeram um trabalho excepcional com a gente para união, etc. Fechar o ano assim é com chave de ouro, não tem como", finaliza o capitão da Liquid.