<
>

O banimento de Dr Disrespect - e o que sabemos sobre isso

play
Torneio de esports em parceria com o COI tem data alterada, mas ainda será realizado em 2020 (2:42)

Intel Open World também é atingida pela crise do COVID-19, mas a flexibilidade dos games mantém a realização dos jogos neste ano (2:42)

Dr Disrespect tem sido um dos streamers mais populares da Twitch há anos, tendo chegado ao estrelato com uma combinação de jogabilidade emocionante, altos valores de produção e uma personalidade única e abrasiva. Seu banimento abrupto da plataforma deixou a comunidade de streaming em choque — afinal, streamers com mais de 1 milhão e meio de subscribers não são expulsos da Twitch sem explicação. Aqui está tudo o que sabemos sobre o ban do Dr Disrespect.

CONTEXTO

Anteriormente, Guy Beahm era um desenvolvedor de Call of Duty na Activision Blizzard. Ele entrou na cena de streaming cedo, juntando-se à Twitch quando ainda era Justin.tv e fazendo seu nome com seu personagem, Dr Disrespect, que usava uma peruca de mullet, óculos de sol, um colete tático e jorrava uma série de frases de efeito. O streamer se beneficiou muito da ascensão dos jogos battle royale, ganhando destaque enquanto jogava PUBG.

O banimento atual não é a primeira vez que Dr Disrespect se encrenca com a Twitch. Em junho de 2019, durante uma stream IRL (In Real Life, “na vida real”) na E3, em Los Angeles, ele entrou em um banheiro masculino com a transmissão ainda ligada. A plataforma o suspendeu por duas semanas após o incidente. Isso não azedou as relações entre as duas partes, no entanto — ainda neste ano, a Twitch assinou com Dr Disrespect um acordo de exclusividade de vários anos, que lhe pagaria milhões de dólares por ano.

O BAN

Os momentos finais de Dr Disrespect em sua stream antes do ban, em 26 de junho, foram estranhos, para dizer o mínimo. Depois de consultar o teórico da conspiração David Icke, ele parece checar seu telefone, o que faz seu comportamento mudar e uma súbita angústia ser visível. Ele mudou a tela para um vídeo de Roblox e disse: "Agradeço a todos que estão assistindo hoje. Nós vamos... vamos passar por isso, clube dos campeões [champions club]. Eu sei que é difícil... a vida está esquisita, agora… nós vamos passar por isso..." Ele então executou os créditos de seu stream e finalizou.

Pouco depois disso, seu canal desapareceu completamente da Twitch, e a empresa não disse nada sobre até o momento.

Especulações explodiram ao redor da internet sobre o motivo pelo qual a empresa baniria uma das principais personalidades sem aviso ou razão aparente. Um dia depois de seu banimento, Dr Disrespect fez sua única declaração pública até agora, em que disse que também não sabe o porquê.

O QUE SABEMOS

Até esta quarta-feira (1), não há nenhum mandado ou acusação pendente no nome de Guy Beahm no Condado de San Diego, onde ele mora há certo tempo, ou do Condado de Los Angeles, onde ele costuma conduzir negócios. Beahm não foi detido em prisões locais ou federais em San Diego ou nos arredores.

Dr Disrespect ainda é representado por Gabriel del Rio, um agente/manager independente, que preferiu não tecer comentários quando questionado pela ESPN na última sexta-feira (26). A empresa Creative Artists Agency, de Hollywood, também representou Beahm em muitos de seus endossos, direitos de transmissão e acordos de TV, incluindo sua mais recente renovação com a Twitch, mas não respondeu à ESPN quando questionada se eles ainda trabalham com Beahm após seu banimento da Twitch.

Não houve nenhuma palavra oficial da Twitch sobre a duração do ban, embora o jornalista independente de esports Slasher, tenha relatado na sexta-feira (26) que o ban é permanente e não está relacionado a violações da Digital Millennium Copyright Act (DMCA) para uso de músicas protegidas por direitos autorais em transmissões.

Muitas teorias da conspiração sobre o desaparecimento de Dr Disrespect apareceram nas redes sociais, incluindo uma em que ele e outros influenciadores estariam movendo para uma nova plataforma de transmissão chamada Brime, ou outra co-propriedade do Spotify e Google, mas essas informações foram desmentidas por vários repórteres. O Google é dono do YouTube, que por sua vez trouxe streamers da Twitch para o YouTube Gaming.

*Originalmente publicado no ESPN Esports